sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Bombeiros do Rio voltam do Haiti como heróis


Os bravos estão de volta. Depois de 20 dias procurando sobreviventes sob escombros da capital do Haiti, Porto Príncipe, os 31 bombeiros do Rio voltam para casa hoje cheios de orgulho. Eles conseguiram salvar três pessoas soterradas após o terremoto e formaram uma legião de fãs entre os haitianos. Além disso, foram, entre todas as equipes de resgate de vários países do mundo, a única nas ruas 24 horas por dia, desde que chegaram, na madrugada do dia 13.
“Não fomos escolhidos à toa. Fizemos parte de um plano divino e, depois disso, nunca mais veremos o mundo da mesma forma”, garante o coronel Marcelo Canetti. Médico, ele socorreu a enfermeira haitiana Jean Baptiste, grávida de três meses, a primeira vida salva pelos cariocas, quatro dias depois do terremoto. “Ela só sobreviveu porque ficou protegida por um ‘casulo’ formado por camas. Assim que conseguimos tirar um de seus braços dos escombros, a colocamos no soro para hidratá-la. Quando soubemos que ela está grávida, ficamos ainda mais felizes”, contou Canetti.

A equipe também resgatou 57 corpos. Os equipamentos que levaram para o Haiti foram fundamentais. O mais utilizado foi uma tesoura hidráulica, comumente usada para retirar vítimas de acidentes de carro das ferragens.

“Com ela, pudemos cortar os ferros das camas e vergalhões que estavam sobre a enfermeira. Ajudamos inclusive bombeiros de outros países, que não tinham equipamentos tão modernos”, disse o tenente-coronel Ricardo Loureiro, chefe da missão.

Eles também levaram almofadas infláveis, capazes de levantar vigas de concreto depois de cheias, permitindo o acesso dos militares aos feridos. “Temíamos por novos abalos que poderiam soterrar ainda mais as vítimas”, explicou o coronel.

Menos de 24 horas antes de desembarcar no Haiti, o grupo procurava por sobreviventes das inundações de Angra dos Reis. Os homens pouco dormiram ou comeram. “Fomos direto para os escombros. Dos bombeiros de todo o mundo, fomos os únicos que trabalharam 24 horas”, contou Loureiro.

Um comentário:

Timbaúba disse...

Gostaria de saber se seria possível me dá notícias de um soldado da marinha do Rio de Janeiro, ele é Fuzileiro Naval, estava no Haiti, conversei com ele por diversas vezes, no msn, inclusive me mostrou o seu alojamento, junto com mais doze soldados. Ele se chama Rosemberg.
Ele falou conversando comigo:
Rosemberg diz:
*os bombeiros q o brasil enviou estao aq em nossa base...
Rosemberg diz:
*somos da marinha..Fuzileiro Naval...
*nao tivemos nenhuma baixa...
Rosemberg diz:
*sim..tem muita gente morta....
*os bombeiros q o brasil enviou ja esta no trabalho de resgate...
Bete diz:
*eu vi
*fiquei muito feliz com o envio de bombeiros e até um navio
INTERESSANTE:
Eu salvei essa conversa há um ano atrás, exatamente no dia 15 de janeiro de 2010.
Me chamo Elisabete Fernandes, moro no Rio Grande do Norte (Caraúbas), e ficaria imensamente feliz por notícias do Rosemberg.
Obrigada!

Postar um comentário