sexta-feira, 28 de maio de 2010

Governo volta a adiar análise da PEC 300

"Depois de chegar a ser anunciado como item da pauta de sessão extraordinária, piso dos policiais e bombeiros acaba adiado novamente. Na próxima semana, líder do governo apresentará proposta oficial para negociação"

Era tudo o que o governo queria. Após o dia de negociações com policiais e bombeiros, onde a PEC 300 chegou a ser anunciada às categorias como item na pauta da sessão extraordinária de hoje, o governo conseguiu adiar mais uma vez a análise da matéria.

Na próxima terça-feira (1°), às 16h30 , o líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), trará uma proposta oficial do governo para o reajuste salarial dos profissionais de segurança.

Após reunião encerrada há pouco com lideranças da polícia, o petista classificou como “passo imenso” o fato de a categoria aceitar a retirada do piso salarial para policiais e bombeiros da PEC 300. Vaccarezza explicou que foram pedidas garantias de prazo para elaboração de um eventual projeto de lei, além de valores para do piso previsto na proposta de emenda à Constituição.

O petista chegou a levantar a possibilidade de o projeto contendo o reajuste salarial ser elaborado 180 dias após a promulgação da PEC. “Não dá para adiantar. Um projeto de lei agora não dá porque vai ter eleições no país e os governadores vão mudar”, argumentou o parlamentar.

Contrapondo com a comemoração governista, policiais e bombeiros saíram frustrados da reunião. Rebatendo o argumento de que não há quorum suficiente para analisar uma PEC nesta noite, um policial, que pediu para não ser identificado, desabafou: “Toda semana é a mesma pilantragem”. O texto-base da PEC foi aprovado em primeiro turno na Casa em março passado.

No início da tarde, enquanto estavam reunidos numa comissão da Câmara, as categorias da segurança chegaram a cogitar a possibilidade de invadir o Salão Verde da Casa para pressionar a votação da matéria. Entretanto, lideranças foram enviadas para conversar com deputados durante todo o processo de negociação e a ideia de invadir as dependências da Câmara acabou por perder força.

Parlamentares pró-PEC 300 criticaram esse novo adiamento da análise da matéria. “Os policiais estão morrendo de decepção”, resumiu o deputado Major Fábio (DEM-PB).

2 comentários:

sgt bm paiva disse...

ola amigos sou sgt bm paiva do rj caros amigo tenho minha opinião, formada sobre essas pendengas. acho que se não for ha pec 300. e melhor não aceitar, o que eles querem, não vamos abaixar as causas, pra eles, temos que nos reunir, para tentar uma nova estrategia. sem pec 300, não deixaremos eles empaz, impediremos as votações, para os cargos de deputados federais e estaduais, governadores principalmente para presidente.afinal somos nos que guardamos as urnas. se não chegarem a um consenço.sobre ha pec 300 e fora DLMA e fora SERRA. devemos colocar esses partidos para fora da demogracia do Brasil o part.dos falsos trabalhadores e O PSDB do SERRA. vamos vota na ELOIZA do partido verde pra eles ficarem verde de raiva. se juntos somos fortes a hora ja esta cHegando e 03/10/2010

SGTACIOLLY/ASSEGO-ENTORNO disse...

VENHO A PUBLICO PARABENIZAR O ADIMINISTRADOR DESTA PAGINA QUE TEM MUITO CONTRIBUIDO PARA QUE AS INFORMAÇÕES CHEGUEM ATÉ A GRANDE FAMILIA MILICIANA DE NOSSO PAIZ ...POIS INUMERAS VEZES TEMOS VISTO E COMPROVADO A TRANSPARENCIA E LIZURA SOBRETUDO OCOMPROMISSO COM A VERDADE...SGT ACIOLLY/ ENTORNO SUL DF.

Postar um comentário