sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Arrecadação tem recorde de R$ 90,2 bilhões em julho


Fica uma pergunta:Como pode arrecadar tanto e não ter 40 bilhões por ano para investir em sálarios dignos para policiais e bombeiros do Brasil??

Brasileiro já pagou R$ 562,39 bi em impostos em sete meses; montante deve subir até 11,5%!!

A arrecadação de impostos e contribuições administradas pelo governo federal bateu recorde para o mês de julho e ficou em R$ 90,247 bilhões, alta real (ajustada pela inflação) de 21,31% em relação ao mesmo mês do ano passado.

No acumulado desde janeiro, o governo já arrecadou R$ 562,39 bilhões, montante 13,98% maior que o registrado nos sete primeiros meses de 2010. O valor é atualizado pela inflação. Na comparação com junho, quando o governo recolheu R$ 82,7 bilhões, o crescimento foi de 8,92%.

Segundo a Receita Federal divulgou nesta quinta-feira (18), contribuiu para o forte crescimento da arrecadação em julho um pagamento de R$ 5,8 bilhões de um débito em atraso relativo à CSLL (Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido).

Outra receita que ajudou a registrar o recorde de arrecadação foi o Refis da Crise, programa de parcelamento de débitos do governo federal, que recolheu R$ 2,26 bilhões em impostos atrasados no mês passado.

Economia aquecida

Ainda de acordo com o Fisco, os principais fatores para os recordes ainda estão ligados ao aquecimento da economia brasileira. A produção industrial, por exemplo, registrou crescimento de 1,77% entre janeiro e julho deste ano e o mesmo período de 2010. As vendas cresceram 13,13% e a massa salarial subiu 15,77% no mesmo período, o que se materializa diretamente em mais arrecadação.

No detalhamento da Receita, a receita previdenciária, o IRPJ (Imposto de Renda da Pessoa Jurídica) e a Cofins (Contribuição para Financiamento da Seguridade Social) continuam como as principais fontes de renda para o governo, totalizando R$ 369,12 bilhões dos R$ 562,39 bilhões administrados pelo Fisco.

O IRPF (Imposto de Renda Pessoa Física) foi responsável pela arrecadação de R$ 13,76 bilhões desde janeiro, aumento de 23,27% e que reflete o crescimento no recolhimento decorrente da tributação do lucro obtido na alienação de bens e direitos.

Com os sucessivos recordes desde o início do ano, a secretária-adjunta da Receita, Zayda Bastos Manatta, admite que o Fisco trabalha com uma projeção de crescimento da arrecadação até o final do ano acima da expectativa anterior, de 10%.

- Em se mantendo as demais previsões, a curva [da arrecadação] deve chegar ao final do ano com crescimento de 11% a 11,5%.

Nenhum comentário:

Postar um comentário