quinta-feira, 30 de junho de 2011

Câmara aprova anistia criminal a bombeiros do Rio

A Comissão de Constituição e Justiça aprovou nesta quinta-feira a anistia a cerca de 400 bombeiros e dois policiais militares do Rio de Janeiro presos durante manifestação por aumento de salários e que correm o risco de serem expulsos da corporação e condenados pela Justiça. A proposta segue para o Senado.

O texto aprovado é um substitutivo do presidente da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado, deputado Mendonça Prado (DEM-SE). A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro já aprovou anistia administrativa aos bombeiros.

Segundo Prado, a anistia dos bombeiros militares mostrou a capacidade da Câmara de reunir todos os partidos políticos para fazer justiça.

A votação da proposta foi uma estratégia elaborada ontem à noite por deputados cariocas, líderes e pelo presidente da Câmara, Marco Maia.

PEC 300

“Enquanto a PEC 300 não for aprovada, não podemos punir policiais e bombeiros que lutam por melhores condições de vida”, afirmou o deputado Anthony Garotinho (PR-RJ), autor de um dos projetos de anistia.

Deputados de todos os partidos presentes à reunião fizeram discursos em apoio aos bombeiros. O deputado Chico Alencar (Psol-RJ) lembrou que o governador Sérgio Cabral admitiu publicamente os excessos.

Segundo o presidente da CCJ, deputado João Paulo Cunha (PT-SP), como o assunto foi acordado entre todos os partidos, a comissão dispensará as cinco sessões necessárias para enviar a proposta ao Senado. Normalmente, esse é o prazo para apresentação de recurso para que a proposta seja votada no Plenário. Ele ressaltou, porém, que a questão não pode abrir precedentes para tramitação.

O texto aprovado inclui os bombeiros do Rio na anistia concedida pela Lei 12.191/10. Essa lei, por sua vez, anistia policiais e bombeiros militares de nove estados punidos por participar de movimentos reivindicatórios por melhorias de vencimentos e de condições de trabalho ocorridos de 1997 a janeiro de 2010.

Deputado Paulo Ramos falando do governador

MOVIMENTO BMs do DF e RJ - JUNTOS POR UM BOMBEIRO MELHOR

Recepção dos Bombeiros do Distrito Federal aos irmãos de farda do Rio de Janeiro na BR 040 no dia 28 de junho de 2011, pela ANISTIA aos 439 bombeiros injustiçados pelo ridículo governo do Rio.


quarta-feira, 29 de junho de 2011

Defensores Públicos entram com recursos para encerrar ação contra bombeiros


Defensores Públicos entraram com cinco pedidos de habeas corpus para encerrar a ação penal que denunciou os 429 bombeiros e dois policiais militares pela ocupação no Quartel Central do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, no dia 4 de junho.

Um dos pedidos questiona as denúncias de crimes de motim e danos que foram atribuídos aos bombeiros. Para os defensores, não foi esclarecido com precisão o que realmente aconteceu no Quartel Central.

Além dessas medidas, os Defensores Públicos ingressaram também com um pedido para troca da juíza da Auditoria Militar, por considerarem que há dúvidas sobre a imparcialidade da magistrada.

A população está ao nosso lado!
Nem um passo daremos atrás.

terça-feira, 28 de junho de 2011

Cabral anuncia que vai sancionar a anistia a bombeiros

O presidente da Assembleia Legislativa, Paulo Melo (PMDB), anunciou, sob aplausos, que o governador Sérgio Cabral se comprometeu a sancionar a anistia aos bombeiros grevistas, que vai ser votada ainda nesta terça-feira pela Casa.

Melo havia aberto a sessão lamentando o fato de não ter conseguido um acordo com o Palácio Guanabara, em reuniões realizadas na segunda-feira passada e na manhã desta terça-feira. Ele ainda relatava o insucesso das tentativas, quando foi informado que Cabral o aguardava no telefone.

A ligação foi acompanhada pelo líder do governo, André Corrêa (sem partido) e pelo deputado oposicionista Luiz Paulo Corrêa da Rocha (PSDB).

Paulo Melo pôs em votação - e aprovou por unanimidade - o regime de urgência para votar, ainda nesta terça-feira, o projeto que concede anistia aos bombeiros.

André Corrêa aproveitou o clima de comemoração e pediu que todos os deputados que apresentaram emendas ao projeto de reajuste salarial para os intregrantes das forças de segurança que as retirem. Ele citou nominalmente o PT - que, apesar de ser o principal aliado de Sérgio Cabral, apresentou quatro emendas ao projeto do governo.

Alerj fará sessão extraordinária para votar anistia dos bombeiros

O presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), deputado Paulo Melo (PMDB), anunciou que será votada, ainda nesta terça-feira, em discussão única, o projeto que anistia administrativamente os 439 policiais e bombeiros militares presos após invasão ao quartel central da corporação.

A votação acontecerá em sessão extraordinária após o fim da votação que acontece no momento.

“O Governo já se comprometeu a sancionar”, anunciou Melo. A proposta é assinada conjuntamente por 63 deputados. "Foi uma conquista negociada pelos parlamentares ao longo da última semana", completou o líder do Governo na Casa, deputado André Corrêa.

Também nesta terça os parlamentares votam a proposta que antecipa parcelas do reajuste para os agentes de segurança. Melo anunciou ainda que a Casa votará em agosto proposta que equipara a política salarial dos agentes do Degase aos da Segurança.

Fonte:O dia Online

Carreata na zona sul do Rio

Centenas de pessoas participam do protesto dos bombeiros na praia do Flamengo, na zona sul do Rio de Janeiro, na tarde do ultimo domingo (26). De acordo com o capitão Lauro Botto, porta-voz da corporação, os manifestantes vão seguir em carreata e motos até o Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste. Eles pedem a anistia criminal e administrativa para os 439 bombeiros presos após a ocupação do Quartel Central no dia 3 de junho, no centro da capital fluminense.


Policiais militares, professores da rede estadual e populares também apoiam o movimento que começou por volta das 10h.

Os professores estão em greve desde o último dia 7. A categoria pede um reajuste salarial de 26%, além da incorporação imediata da gratificação do Nova Escola, prevista para terminar somente em 2015 e o descongelamento do plano de carreira dos funcionários administrativos.


domingo, 26 de junho de 2011

Bombeiros fazem manifestação na Praia do Flamengo

Em mais um ato pacifico e ordeiro bombeiros,policiais,professores ,demais servidores públicos e a população em geral lotaram o Aterro do Flamengo para reivindicarem melhores salários e condições de trabalho nesse domingo!!!


Os bombeiros voltaram a realizar uma manifestação na manhã deste domingo (26) no Rio de Janeiro. O ato ocorreu no Aterro do Flamengo, na zona sul, e teve como objetivo recolher assinaturas a favor da anistia criminal e administrativa dos 429 militares que invadiram o Quartel-Central da corporação no último dia 3.

A PM reforçou o policiamento no local mas não soube informar a quantidade de pessoas presentes. Com trios elétricos, faixas e cartazes, os manifestantes se dirigiram para a orla de Copacabana, na zona sul, onde vão continuar com o ato. Vestidos com camisas azuis, policiais militares também aderiram ao ato.

Na última quarta-feira (22), a Comissão de Constiuição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou de forma unânime o projeto que concede anistia aos bombeiros do Rio de Janeiro que participaram de protestos por reivindicação de salários. Para entrar em vigor, a proposta ainda precisa ser aprovada na Câmara dos Deputados e ser sancionada pela presidenta Dilma Rousseff.















sábado, 25 de junho de 2011

Bombeiros do Rio vão a Brasília para pedir o apoio de Dilma Rousseff

Um grupo de 500 bombeiros do Rio de Janeiro planeja angariar uma luta importante em sua batalha pela anistia e melhores condições de trabalho no estado: a presidente Dilma Rousseff. Líderes do movimento já conseguiram o aluguel de dez ônibus para levar uma caravana até Brasília para tentar falar com a presidente. A intenção da medida e ganhar o apoio de Dilma na luta e acelerar a anistia penal e administrativa da categoria.

No próximo domingo (26), os bombeiros estarão no Aterro do Flamengo colhendo assinaturas para um abaixo-assinado que será encaminhado à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). A iniciativa visa pressionar a casa a votar a anistia administrativa, já que o Senado já aprovou apenas anistia penal dos bombeiros, que diz respeito aos crimes previstos no Código Penal Militar. A administrativa, por sua vez, livraria de qualquer punição os militares que invadiram o quartel-general da corporação, no começo do mês.
Doação de sangue

Em outra ação a favor da anistia, realizada na manhã desta sexta-feira, cerca de 200 bombeiros foram ao HemoRio doar sangue. Ao todo, 35 litros de sangue foram colhidos.

"A anistia ter passado na comissão do Senado foi uma grande conquista, mas ainda falta um caminho maior a ser percorrido pela anistia administrativa", disse um bombeiro preso que preferiu não se identificar.

Fonte: JB Online

Bombeiros fazem manifestação pela anistia em Cabo Frio

Bombeiros de Cabo Frio, na região dos Lagos, fizeram uma manifestação pelas ruas da cidade nesta sexta-feira (24), para reforçar o pedido de anistia dos militares que ficaram presos no início do mês no quartel da corporação em Niterói, na região metropolitana do Rio de Janeiro.

Com apoio de policiais militares e profissionais da educação do Estado, que estão em greve desde o último dia 7, o grupo percorreu as ruas do centro da cidade em direção a praia do Forte, um dos principais pontos turísticos de Cabo Frio. Com fitas vermelhas e azuis, os manifestantes se concentraram na praça Porto Rocha e seguiram em direção à praia. Quando passou em frente ao quartel (18º GBM) o grupo homenageou os bombeiros de plantão com uma salva de palmas.

Ao chegar na praia os banhistas apoiaram a manifestação levantando as mãos. Em frente a um dos principais postos de salva-vidas, os militares cantaram o hino da corporação.

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Bombeiros do Rio doam sangue em agradecimento a apoio da população


Vários bombeiros que lutam por melhores salários no Rio doaram sangue, nesta sexta-feira (24), no Hemorio, no Centro da cidade, em forma de agradecimento ao apoio da população carioca e também à aprovação do Senado do projeto de anistia.
Os 439 bombeiros presos após a invasão do Quartel Central, no Centro, respondem à ação penal militar pelos crimes de motim, dano em material ou aparelhamento de guerra, dano em aparelhos e instalações de aviação e navais, e em estabelecimentos militares.
De acordo com os bombeiros que estiveram no ato desta sexta, o grupo também coletou assinaturas para um abaixo-assinado, pedindo pela anistia.
“Foi uma ação de agradecimento à população carioca, por ter nos acolhido na hora que a gente mais precisou”, afirmou o cabo Vinícius Santuzi.
A assessoria de comunicação do Hemorio, entretanto, disse que alguns do grupo tinham o propósito de fazer a doação como forma de protesto, o que a instituição não . Ainda de acordo com o Hemorio, o grupo fez reivindicações por melhores salários, dizendo ‘a luta continua’.

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Bombeiros do Rio devem ir a Brasília para apressar anistia na Câmara

Com a aprovação do projeto de anistia no senado nesta quarta-feira (22), os bombeiros do Rio de Janeiro planejam ir a Brasília no domingo (26) para apressar o processo na Câmara dos Deputados. De acordo com o cabo Luciano Cunha, um dos 439 oficiais presos na invasão do Quartel Central no início do mês, o ponto de encontro de partida será no aterro do Flamengo.

- O próprio senador Lindbergh Farias ligou para avisar do avanço do projeto [do qual é o autor]. Iremos em dez ônibus para ficar três dias em Brasília. Queremos não só para ver o processo andar na Câmara, mas também para agradecer o apoio.

Para o cabo, quando toda a situação estiver resolvida com a sanção da presidente Dilma Rousseff, o processo administrativo militar também deixará de ser um problema.

- A anistia criminal é maior que o administrativo, com ela não tem porque continuar com o inquérito militar. A princípio, a primeira reunião está marcada para o dia 27.

A coleta de assinaturas pela anistia dos oficiais continuava nesta quarta. Ainda segundo Cunha, cada bombeiro tem conseguido em média 2.000.

A anistia aprovada no senado não inclui os dois policiais militares que também foram presos na mesma manifestação dos bombeiros.

Fonte: R7

Defensoria Pública pede fim de ação penal contra bombeiros presos no Rio de Janeiro

A Defensoria Pública do Rio entrou nesta quarta-feira (22) na 6ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça com cinco pedidos de habeas corpus para trancar a ação penal que denunciou os 429 bombeiros e dois policiais militares pela invasão do quartel geral do Corpo de Bombeiros, no dia 4 de junho.

Nesta quarta também foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado o projeto de lei do senador Lindbergh Farias (PT-RJ) que anistia de infrações previstas no Código Penal Militar e no Código Penal os bombeiros do Rio de Janeiro que participaram do movimento para reivindicar melhores salários no começo deste mês.

A proposta foi aprovada em caráter terminativo (sem necessidade de ser aprovada em plenário) e segue para análise da Câmara dos Deputados. Se aprovada pelos deputados, a proposta vai à sanção presidencial.

Um dos pedidos de habeas corpus da Defensoria Pública questiona as denúncias de crimes de motim e dano atribuídos aos bombeiros. Para os defensores, não foi caracterizado com precisão o que realmente aconteceu no local, além de não ter havido a individualização de cada conduta, requisitos essenciais para a denúncia. Em outro pedido de habeas corpus, foi questionada a ausência de fundamentação da decisão que acolheu a denúncia do Ministério Público.

Além destas medidas, os defensores pediram a suspeição da juíza da Auditoria Militar, por considerarem que há dúvidas sobre a imparcialidade da magistrada com base na decisão proferida sobre o pedido de relaxamento de prisão feito pela defensoria. Este tipo de posicionamento é vedado pelo ordenamento jurídico, segundo a defensoria. Caso seja acolhido o pedido, o processo passará ao juiz da 2ª Vara da Infância e Juventude, que é competente para conhecer os processos nos casos de impedimento da juíza da Auditoria Militar. Todas as informações foram passadas pela Defensoria Pública.

Fonte:G1

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Comissão do Senado aprova anistia para os bombeiros

Brasília - O projeto de lei de autoria do senador Lindberg Farias (PT-RJ) que concede anistia aos mais 400 bombeiros do Rio que foram presos depois de invadirem o Quartel-central foi aprovado, por unanimidade, pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado. Com parecer favorável do relator, senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), o projeto de lei segue, agora, direto para a Câmara dos Deputados, sem necessidade de passar pelo plenário do Senado.
Crivella ressaltou que a anistia proposta aos bombeiros do Rio não é diferente da que anistiou policiais e bombeiros militares do Rio Grande do Norte, Bahia, Roraima, Tocantins, Pernambuco, Mato Grosso, Ceará, Santa Catarina e Distrito Federal, também punidos por participarem de protestos semelhantes.
Interrogatórios marcados

As datas dos interrogatórios também já estão definidas. Os 14 bombeiros apontados como líderes do motim serão ouvidos no dia 8 de julho, pelo Conselho Especial de Justiça, que, no caso, será composto por um coronel e três tenentes-coronéis do Corpo de Bombeiros, e presidido pela juíza Ana Paula Monte Figueiredo Pena Barros. O Conselho Especial possui tal formação porque, neste caso, um dos réus ostenta a patente de major, e somente pode ser processado e julgado por oficiais de patente superior.

Já os 415 bombeiros foram divididos em grupos e serão interrogados entre os dias 5 e 18 de agosto, sempre a partir das 10h. Os depoimentos ocorrerão perante o Conselho Permanente de Justiça do Corpo de Bombeiros, composto por um major e três capitães.

A denúncia do Ministério Público apresenta uma relação de 14 veículos operacionais danificados pelos manifestantes. Também teriam sido inutilizados os portões de entrada do Quartel-Central e os portões de acesso ao Cassino de cabos e soldados, as instalações da Diretoria Geral de Finanças, da Superintendência Administrativa, da Subsecretaria de Defesa Civil, da Secretaria de Estado de Saúde e Defesa, do refeitório de oficiais, refeitório de praças, cozinha, padaria, depósito de lacticínios e frutas, ambulatório de nutrição e porta de acesso à Rua do Senado.

A situação vinha se tornando tensa desde maio, quando uma greve de guarda-vidas, que durou 17 dias, levou cinco militares à prisão. A paralisação acabou sendo encerrada por determinação da Justiça. Os bombeiros alegavam não ter recebido contraproposta do Estado sobre a reivindicação de aumento do piso mínimo para R$ 2 mil. Os profissionais fluminenses recebem cerca de R$ 950 por mês.

Hino do Soldado do Fogo (Nova versão)

Contra-cheque de soldo indecente
Mascarado em gratificações
Do Soldado ao Novato tenente
Menos pobres são os Capitães

E o Major, seu cartão nunca falha
É internacional a bandeira
E se for Coronel, nem se fala
O sorriso é de orelha a orelha

Refrão:
Missão dupla é a mulher e a criança
Que me viro para sustentar
Minha sogra ironiza e me afronta
Meu irmão camelô ganha mais

Carro usado e um carnê gigantesco
Setenta prestações a pagar
Nem meu filho enxergo direito
Hoje a light veio a luz cortar

E não tem casa própria o bombeiro
Nem dinheiro pra dar de sinal
Suas vidas nas mãos dos guerreiros
Nossas vidas nas mãos do Cabral

Refrão:

Missão dupla é a mulher e a criança
Que me viro para sustentar
Minha sogra ironiza e me afronta
Meu irmão camelô ganha mais


Punições, agressões e tormenta
E o Bope perdeu seu valor
A injustiça jamais se sustenta
E o povo a causa abraçou

Nenhum passo daremos atrás
Repelindo as injustas prisões
quero no LIS entrar nunca mais
E enfim quitar os meus cartões

Refrão:

Missão dupla é a mulher e a criança
Que me viro para sustentar
Minha sogra ironiza e me afronta
Meu irmão camelô ganha mais

Autor desconhecido

terça-feira, 21 de junho de 2011

Resitir é preciso

Bombeiro do Rio de Janeiro - Eu vejo




segunda-feira, 20 de junho de 2011

Cabral cometeu sequência de erros no caso dos bombeiros, diz senador Lindbergh Farias (PT-RJ)

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), cometeu uma sequência de erros e deu “declarações infelizes” que agravaram a crise causada pela reivindicação salarial dos bombeiros, afirmou o senador Lindbergh Farias (PT-RJ). “Aquela prisão de 439 bombeiros tinha tudo pra virar o que virou: um ato de comoção”, disse.

Apesar de ter sido aliado de Cabral nas eleições 2010 –e pretender repetir a aliança na eleição para a Prefeitura do Rio em 2012–, o senador critica o governador por exageros na repressão ao movimento dos bombeiros e outros protestos. “O governador Sérgio Cabral é muito habilidoso para fazer política com o pessoal da política, com os prefeitos. Tem que ser habilidoso também com os movimentos.”

Veja abaixo os principais trechos da entrevista concedida por Lindbergh Farias:

UOL Notícias: O senhor se posicionou pela libertação dos bombeiros [presos após invadir o quartel central da corporação], contrariando a postura do governador Sérgio Cabral (PMDB) que foi seu aliado nas eleições 2010. Isso é um sinal de oposição?

Lindbergh Farias: Tenho uma boa relação com o governador Sérgio Cabral. Estamos nesta batalha dos royalties [do petróleo] tentando defender os interesses do Estado do Rio de Janeiro. Mas acho que ali [no movimento por aumento salarial dos bombeiros] o governo do Estado se equivocou em vários momentos. Era para ter negociado lá atrás, ter recebido o movimento. E se equivocou depois também, na prisão dos 439 bombeiros. As declarações do governador também não ajudaram.

UOL Notícias: O senhor achou as declarações truculentas?

Farias: Foram declarações infelizes. Isso criou um clima muito ruim. Tem um projeto meu aqui no Senado que deve ser aprovado na próxima semana, que fala da anistia aos bombeiros. Esse é um ponto fundamental para a construção do acordo no Rio. Claro que vai para a presidente [Dilma Rousseff] depois, mas aqui no Senado o clima é muito favorável [à anistia]. Essa é uma das formas de ajudar na construção de uma saída. Os bombeiros querem duas coisas: negociação salarial e anistia. Acho que o governador está entendendo que agora o caminho é construir uma saída negociada. O governador demorou, mas entendeu isso.

UOL Notícias: O que o senhor pensa do salário atual dos bombeiros [cerca de R$ 1.200 inicial]?

Farias: é o pior salário do Brasil. Mas tinha espaço para negociar com eles. Organizar um plano de médio e longo prazo. Acho que faltou isso. O governador Sérgio Cabral é muito habilidoso para fazer política com o pessoal da política, com os prefeitos. Tem que ser habilidoso também com os movimentos. Se tivesse tido paciência naquele caso da entrada no quartel, se não tivesse colocado o Bope, pela manhã o movimento se desfazia e ia atrás dos responsáveis. Foi uma sequência de erros que deixou o governador numa situação difícil, porque hoje não é só bombeiro. Tem uma greve dos profissionais de educação e os profissionais da saúde se movimentam também. Aquela prisão de 439 bombeiros tinha tudo pra virar o que virou: um ato de comoção.

S.O.S. 193 - Bombeiros RJ (Funk)

Bombeiros do RJ estão preparados para ajudar na Bahia, diz comandante

O secretário de Defesa Civil e comandante do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, coronel Sérgio Simões, informou no início da noite deste domingo (19) que uma equipe de oito mergulhadores, comandada pelo major Rodrigo Bastos, que também integra a equipe, está preparada para embarcar em direção à Bahia com o objetivo de ajudar nas buscas dos desaparecidos no acidente aéreo, ocorrido na sexta-feira (17).
"Estou aguardando uma confirmação da Marinha de que a aeronave teria sido encontrada no fim da tarde deste domingo. A partir daí, vou decidir se mando meus homens ou não", afirmou , o coronel Sérgio Simões.

É o 1° GBS no Local (Bahia) !!!!!!!

Tc.BM Sobral
Maj.BM Rodrigo Bastos,
Maj.BM Julio Mello
Sub.Ten.BM Lázaro,
Sgt.BM Labosian
Sgt.BM R.Alves,
Sd.BM Milton.

Avante companheiros, Deus os abênçõe e os protejam nessa missão, mesmo com os baixos salários.

domingo, 19 de junho de 2011

Rio de Janeiro X Sergipe

O governador Sérgio Cabral diz não poder pagar um salário digno aos bombeiros do Rio de Janeiro como o que é pago em Sergipe levando em consideração que em Sergipe existem mais ou menos 670 bombeiros.
Infelizmente o que o senhor Governador Sérgio Cabral fala não se escreve. Haja vista ficar provado que ele mentiu descaradamente dizendo que o salário dos bombeiros do Rio de Janeiro não era o menor do Brasil, porém foi provado a todos que estamos em ultimo lugar em valor salarial.
Mas para evitar o disse e me disse, eu fiz uma breve pesquisa em comparativos com o Estado do Rio de Janeiro e o estado de Sergipe, apesar que por razões óbvias nem seria necessário mas vamos lá.

População:
Sergipe: 2 milhões de habitantes
Rio de Janeiro: 15,9 Milhões de habitantes (população do Chile)

PIB:
Sergipe: 16,8 Bilhões
Rio de Janeiro: 343 Bilhões

Efetivo de bombeiros:
Sergipe: 1200 (governador disse que eram 670)
Rio de Janeiro: 17000 (lembrando que só no Rio temos UPA)

Receita de ICMS 2009:
Sergipe: 1.431.626.000 (7,13% do PIB)
Rio de Janeiro: 19.100.299.000 (5,28% do PIB)

arrecadação de impostos por minuto: impostômetro
Sergipe: 3,5 Milhões
Rio de Janeiro: 50 milhões

Observando a arrecadação de Sergipe e o do Rio de Janeiro, não da pra entender porque o governo diz que não pode pagar aqui um piso de R$ 2000,00 sendo que em Sergipe, estado muito menor em números, muito mais humilde, paga como piso R$ 3200,00???
O cabo Daciolo informou em reportagem do Balanço Geral, que folha de pagamento do Estado do Rio de Janeiro pesa apenas 27% da arrecadação líquida do estado, podendo ser comprometida com segurança até 46%.
Então senhor governador Sérgio Cabral, quando o senhor diz que não pode pagar um salário melhor para TODOS os funcionários do Rio de Janeiro, o senhor está mentindo mais uma vez.
Também é bom ser dito que só no Rio de Janeiro é cobrada a TAXA DE INCÊNDIO e é ridículo o Corpo de Bombeiros estar hoje nas ruas em protesto.
O Governador Sérgio Cabral nunca negociou com nenhuma categoria. Ele paga mal e não aceita ser criticado, não aceita ser questionado...age como um imperador romano e não como um governador. Mas lembre-se governador, os imperadores mesmo com tanto poder, um dia caem.

Fonte:povodoriodejaneiro@blogspot.com

sábado, 18 de junho de 2011

Heróis da vida real



Os anjos existem!!!!
Mas... diferente do que imaginamos,
Eles não possuem asas,
nem poderes celestiais.
São como nós,
pessoas normais.

O amor ao proximo, é o que os tornam especiais.

Estes anjos,
tão sempre prontos a ajudar.
E arriscam suas vidas, para outras vidas salvar.

São fortes e destemidos,
e enfrentam qualquer tipo de perigo,
para o seu próximo ajudar.

Mas, infelizmente nem sempre são lembrados.
E por muitas vezes, depois de terem arriscado suas vidas;
Não recebem, nem se quer um OBRIGADO!

Mas isto, não os impede de continuar a trabalhar,
Salvando vidas em qualquer hora e em qualquer lugar!
Estes anjos, são merecedores de todo nosso respeito.

Por muitos eles são chamados de BOMBEIROS.

Mas eu os chamo de 'ANJOS'...

ANJOS VERDADEIROS!!!!

sexta-feira, 17 de junho de 2011

A negociata das UPAs por trás do inchaço do efetivo dos Bombeiros


Fico até surpreso que O Globo nesse caso tenha resolvido mostrar a verdade, que, aliás, vocês sabem, eu venho dizendo há muito tempo. Há dois dias já tinha dito isso que O Globo publica hoje. O número de bombeiros é grande por causa das UPAs, que subverteram até a hierarquia na corporação. Por conta das gratificações maiores dadas ao pessoal das UPAs, hoje há oficiais de menor patente ganhando mais que superiores lotados nos quartéis.

Cabral no primeiro ano fez concurso para preencher 5.000 vagas só para a área de saúde do Corpo de Bombeiros. O que O Globo não mostra é que essa opção de usar os bombeiros nas UPAs foi uma idéia de Cabral e Sérgio Côrtes, porque alegavam que o regime militar por ser mais rigoroso evitaria problemas de manifestações de descontentamento, ainda mais em unidades cheias de contratos terceirizados com mil jogadas por trás.

No final o feitiço virou-se contra o feiticeiro.

Imagens inéditas invasão da PM e prisão dos bombeiros no RJ

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Bombeiros pretendem ir a Brasília em caravana para conseguir anistia

Os bombeiros do Rio pretendem organizar uma caravana até Brasília, a fim de sensibilizar o Congresso pela aprovação da anistia criminal contra os militares. A convocação foi feita durante um discurso do cabo Benevenuto Daciolo, um dos líderes do movimento dos bombeiros, na porta da Assembleia Legislativa (Alerj), na tarde desta quinta-feira (16).

Segundo Daciolo, a medida está sendo articulada com deputados federais e senadores da bancada do Rio. A caravana seguiria para a capital federal após a caminhada no Aterro do Flamengo, no dia 26, quando pretendem colher pelo menos 600 mil assinaturas que permitam a aprovação da anistia.

“Estamos explorando todas as esferas. Tentamos conversar com o comandante-geral e não conseguimos. Até agora não fomos convidados a sentar com o governador. Então, essa possibilidade de ir a Brasília é mais uma tentativa do movimento de sensibilizar as autoridades”, disse Daciolo.
O cabo explicou que pode conseguir pelo menos 500 ônibus para a caravana, que seriam cedidos por mais de 100 parlamentares, de diversos partidos, que estariam apoiando o movimento.
Para a convocação, ele acredita que pode contar com 12 mil homens de um efetivo de 16 mil. “São necessários 4 mil homens para atender a população. Os outros, que ficam de folgas, na escala, podem participar da caravana”, afirmou.

Na Alerj, o bombeiro disse ainda que conta com a adesão de servidores da área de educação e saúde. Faixas de policiais militares foram exibidas pelos manifestantes que ocupam as escadarias da casa.

Bombeiros do RJ querem ir a Brasília em caravana para conseguir anistia
Grupo ocupa escadarias da Alerj e garante ter adesão de outras categorias.
Eles pretendem voltar a acampar no local.

Os bombeiros do Rio pretendem organizar uma caravana até Brasília, a fim de sensibilizar o Congresso pela aprovação da anistia criminal contra os militares. A convocação foi feita durante um discurso do cabo Benevenuto Daciolo, um dos líderes do movimento dos bombeiros, na porta da Assembleia Legislativa (Alerj), na tarde desta quinta-feira (16).

Segundo Daciolo, a medida está sendo articulada com deputados federais e senadores da bancada do Rio. A caravana seguiria para a capital federal após a caminhada no Aterro do Flamengo, no dia 26, quando pretendem colher pelo menos 600 mil assinaturas que permitam a aprovação da anistia.

“Estamos explorando todas as esferas. Tentamos conversar com o comandante-geral e não conseguimos. Até agora não fomos convidados a sentar com o governador. Então, essa possibilidade de ir a Brasília é mais uma tentativa do movimento de sensibilizar as autoridades”, disse Daciolo.
O cabo explicou que pode conseguir pelo menos 500 ônibus para a caravana, que seriam cedidos por mais de 100 parlamentares, de diversos partidos, que estariam apoiando o movimento.
Para a convocação, ele acredita que pode contar com 12 mil homens de um efetivo de 16 mil. “São necessários 4 mil homens para atender a população. Os outros, que ficam de folgas, na escala, podem participar da caravana”, afirmou.

Na Alerj, o bombeiro disse ainda que conta com a adesão de servidores da área de educação e saúde. Faixas de policiais militares foram exibidas pelos manifestantes que ocupam as escadarias da casa.

Bombeiros pretendem acampar na Alerj até o dia 26
Os bombeiros que participam do movimento por aumento salarial voltaram a ocupar as escadarias da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) na tarde desta quinta-feira (16). Eles pretendem ficar acampados no local até o dia 26, domingo, quando farão uma caminhada pelo Aterro do Flamengo, informou Daciolo.

Ele disse ainda que o grupo “está bastante flexível” para discutir as reivindicações salariais, mas desde que haja um aceno do governo e “uma justificativa convincente de que não pode atender o aumento que estamos pedindo”.
O movimento dos bombeiros pede um piso salarial de R$ 2 mil e mais o vale-transporte, mas sem incluir gratificações.

Fonte: globo.com

Bombeiros voltam a ocupar escadarias da Alerj nesta quinta

Centenas de bombeiros já estão concentrados nas escadarias da Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio) na tarde desta quarta-feira (16) em mais um protesto da categoria, que reivindica a anistia dos 429 militares presos após a ocupação do Quartel Central no último dia 4 e o reajuste do piso salarial de R$ 1.198.

Segundo o porta-voz do movimento, o cabo Benevuto Daciolo, eles vão permanecer acampados na frente da Alerj até serem recebidos pelo governador Sérgio Cabral ou o comandante da tropa, o coronel Sérgio Simões.

- Não vamos sair até que o governo se mostre sensível à causa. Até o momento não houve uma conversa do governo com o núcleo do movimento.

Dezenas de militares chegam em ônibus vindos de cidades do interior do Estado.

Também já está marcada para domingo (26) uma caminhada no aterro do Flamengo, na zona sul, em defesa da anistia dos bombeiros, que respondem ao processo administrativo e penal pelos crimes de motim e danos ao patrimônio público.

Os bombeiros também estão distribuindo um abaixo-assinado pela internet e em diversos pontos da cidade para tentar conseguir o apoio da população à anistia dos militares, que nesta quarta tiveram que comparecer à Justiça Militar.

Governador oferece gratificações

O governador do Rio, Sérgio Cabral, defendeu que o valor dos salários dos bombeiros está relacionado ao grande efetivo do Estado. Ele citou que o Rio tem o maior contingente do país (25%), com 16,5 mil homens, enquanto o Distrito Federal, onde os militares recebem a maior remuneração, tem apenas 4.800.

A proposta do governo estadual, enviada à Alerj, antecipando o reajuste de 5,58%, foi rejeitada pelos bombeiros. Cabral propôs a antecipação de dezembro para julho dos reajustes que já eram previstos pela casa legislativa.

Na última quarta (15), Cabral enviou um projeto de lei à Alerj que propõe que os recursos provenientes da taxa de incêndio sejam usados para custear as gratificações dos bombeiros. Pela proposta, 30% dos recursos do fundo seriam destinados a isso.

Bombeiros voltam a se manifestar nas escadarias da Alerj

Hoje as 14 horas o lugar de bombeiro e policial de folga é na escadaria da Alerj.


Os bombeiros do Rio de Janeiro voltam a protestar nas escadarias da Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro) nesta quinta-feira (16) diante da negativa do governo estadual em aceitar a proposta de reajustar o piso da categoria em ao menos R$ 2.000 e de dar a anistia das penas administrativas para os mais de 400 que foram presos após invadirem o Quartel Central no último dia 4.
De acordo com o capitão Lauro Botto, a ideia inicial dos bombeiros era realizar um ato ecumênico nesta quinta para agradecer ao povo do Rio pelo apoio e ao governo por ter atendido à categoria, o que não ocorreu. O governador Sérgio Cabral (PMDB) por meio de seus interlocutores – o comandante do Corpo de Bombeiros, Sérgio Simões, e os deputados da base governista na Alerj – oferece gratificações que deixariam o salário-base mais baixo da classe próximo a R$ 2.000 e se nega a anistiar os bombeiros.

- Queríamos que o ato fosse para agradecer ao governo. Como não houve resolução, vamos fazer uma manifestação. Vamos voltar a se reunir nas escadarias e permanecer lá até resolver. Continuaremos com nossas manifestações pacíficas e ordeiras.
Nesta quarta-feira (15), em uma reunião marcada com quatro deputados da base que dá apoio à causa dos bombeiros - Janira Rocha (PSOL), Marcelo Freixo (PSOL), Luiz Paulo (PSDB) e Flavio Bolsonaro (PP) - com o presidente da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), o deputado Paulo Melo (PMDB). Também participou do encontro o líder do governo na Câmara, André Corrêa, em mais uma tentativa de pôr fim ao impasse em torno da reivindicação salarial, mas as partes não chegaram a um acordo.
De acordo com Botto, outras categorias, como professores e policiais militares, também devem se unir aos bombeiros na manifestação.
Motim
Confiantes na anistia, centenas de bombeiros assinaram nesta quarta-feira a citação [notificação das acusações às quais responderão na Justiça] na Auditoria da Justiça Militar, na zona portuária da capital. O Ministério Público do Rio de Janeiro denunciou 429 bombeiros e dois policiais militares devido à invasão do Quartel Central da corporação. A previsão era de que todo o grupo comparecesse ao Tribunal entre as 12h e 18h. Até por volta das 18h, 424 bombeiros haviam assinado a citação.
Segundo a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça do Rio, os militares foram notificados no momento em que receberam o alvará de soltura no último sábado (10). O processo inicial foi desmembrado em dois, um quanto aos dois policiais militares e outro em relação aos 14 bombeiros considerados líderes do crime de motim, onde se incluem os oficiais. Os demais 415 acusados permaneceram agrupados na ação principal.
As datas dos interrogatórios também estão definidas. Os 14 bombeiros apontados como líderes do motim serão ouvidos no dia 8 de julho, às 12h, pelo Conselho Especial de Justiça, que, no caso, será composto por um coronel e três tenentes-coronéis do Corpo de Bombeiros, e presidido pela juíza Ana Paula Monte Figueiredo Pena Barros. O Conselho Especial possui tal formação porque, nesse caso, um dos réus ostenta a patente de major, e somente pode ser processado e julgado por oficiais de patente superior.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Com pior salário do Brasil, bombeiros do Rio sofrem com dívidas e dupla jornada de trabalho

O movimento dos bombeiros do Rio de Janeiro na luta por melhores salários surpreendeu a população não apenas pela capacidade de mobilização dos militares e de suas famílias, mas também por expor a situação de uma tropa insatisfeita. Com o pior salário da categoria no país, os bombeiros fluminenses sofrem com endividamentos. A maioria mantém dupla jornada de trabalho, com os chamados "bicos" nos dias de folga.

Um bombeiro sem dependentes começa ganhando R$ 1.198,24, enquanto que os que declaram os dependentes recebem R$ 1.416,89, sem contar as gratificações. Com uma remuneração carregada de “penduricalhos” (auxílio-moradia e a auxílio-dependentes, por exemplo) não incorporados ao salário quando o militar se aposenta, a maioria dos bombeiros faz bicos para complementar a renda.

O salário defasado faz com que muitos deles estejam atolados em empréstimos consignados, o que aflige boa parcela dos servidores públicos. Há casos de militares com até sete empréstimos descontados direto na folha de pagamento.

A seguir, os depoimentos de alguns dos bombeiros que se destacaram nas negociações (eles não gostam de serem chamados de líderes) mostram que as dificuldades financeiras são compartilhada por quase todos, até mesmo por oficiais. Entretanto, apesar disso, todos são unânimes ao expressar amor e vocação à profissão.
Cabo Benevenuto Daciolo, bombeiro há 12 anos e pai de duas crianças
- Fui estudar o 2º grau nos Estados Unidos, onde comecei a sonhar em ser guarda-vidas. Estou fazendo pós-graduação. Tive base. Quando entrei nos bombeiros, encontrei uma série de problemas e dificuldades. Só continuo por amor. Hoje, 99% da tropa mora em comunidades e muitos sequer têm comida direito. Falta um monte de coisas. Os contracheques são carregados de empréstimos.

Sargento Valdelei Duarte, bombeiro há 30 anos. Foi preso com o filho em Niterói. Seu neto também é bombeiro

- Desde criança, não podia ver uma viatura dos bombeiros que corria pra ver. As pessoas até debochavam de mim. Isso já nasceu comigo. Logo no primeiro concurso, eu passei. Foi uma benção. Agora criaram essa cultura de que bombeiro tem que fazer bico, mas temos dedicação exclusiva. Imagina se estou fazendo um bico e o comandante me chama. O que eu vou fazer? Tenho colegas com sete, oito empréstimos. É muito difícil ser bombeiro dessa forma. Vamos lutar por todos e tentar mudar essa situação.

Cabo Baltar, bombeiro há 12 anos

- Não largo [a profissão], porque gosto do que faço. Mas tenho que conciliar o “bico” com o serviço na corporação. Se não fosse assim, não teria como sustentar minha família. Minhas filhas só conseguem estudar em escola particular, porque tenho outros emprego.

Cabo Fabiano, bombeiro há 14 anos e pai de um filho de 11 anos

- São 14 anos de corporação. Trabalho no 2º Gmar (Barra) e sou pai de um menino de 11 anos. Com esse salário, não dá para ter mais de um filho. Faço bico como guardião de piscina nos dias que tenho folga nos bombeiros. Ou seja, quando deveria estar de folga, estou trabalhando. Em um mês, trabalho, em média, 25 dias. Fiquei muito enaltecido com o apoio da população.

Capitão Bilbao, bombeiro há nove anos

- O salário é tão baixo que, quando quero comprar alguma coisa, tenho que pegar empréstimo. Tenho mais de cinco no meu contracheque, porque o salário não dá. Faço bicos dando aulas sobre como combater incêndios. A partir do momento em que nós conseguimos expor nossa situação, a população ficou do nosso lado. Nós já esperávamos isso, mas superou demais todas as expectativas.

Capitão de Marco, bombeiro há nove anos

- Como capitão no Rio de Janeiro, meu salário é menor do que de um soldado de Brasília. E olha que são sete postos de diferença entre as duas patentes.

Fonte:R7

terça-feira, 14 de junho de 2011

Bombeiros e Policiais reivindicando melhores salários

Esse vídeo é uma sátira a como o governo trata da segurança publica nesse país,mas tenho certeza que as coisas mudaram,a atitude do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro mostra para todos os policiais e bombeiros desse país que somos "um elefante preso a um pé de alface",não sabemos a força que temos,ou melhor,não sabíamos:




Nem um passo daremos atrás!!!

Gravação mostra comandante da PM intimidando soldados que defendiam bombeiros

Um comandante do Batalhão da Polícia Militar do Rio de Janeiro intimidou soldados que defendiam os bombeiros rebelados por aumento salarial. No vídeo que a TV Record teve acesso, o militar ordenava que os policiais não saíssem de camisa vermelha para não "macular o nome do batalhão, nem da polícia".

Reivindicações continuam

Nesta terça-feira (14), às 14h, uma reunião entre representantes dos bombeiros e deputados da base governista, está marcada na Assembléia Legislativa. O objetivo do encontro é discutir as duas propostas apresentadas pelo Corpo de Bombeiros, que quer um salário líquido de R$ 2.000 e vale transporte.

Na quarta-feira (15), os bombeiros vão se apresentar à auditoria da Justiça Militar, que aceitou a denúncia do Ministério Público. Os interrogatórios devem começar a partir do mês que vem.

De acordo com os agentes, caso o governo não aceite as reivindicações, os manifestantes voltarão às escadarias da Alerj (Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro) na quinta-feira (16).



Fonte: r7.com

Queremos a anistia:Não adianta ganhar R$ 5 mil e ter um amigo bombeiro preso

Anistia para os companheiros que estavam presos, retorno ao trabalho e um salário digno. Essas são as próximas medidas a serem adotadas pelo movimento dos bombeiros na negociação com o governo, segundo informou um dos líderes da categoria, o cabo Laércio Soares, nesta terça-feira.

"Queremos ter um salário digno, mas adianta só isso. Não adianta eu ganhar R$ 5 mil por mês e ter um companheiro meu preso - eu estaria preso com ele. Então queremos a anistia para os bombeiros que estavam presos, retornar ao trabalho em boas condições e ter o nosso salário, mas digno", disse o cabo Laércio.

Para o cabo Laércio, houve excesso de todos os lados no episódio de invasão do quartel central dos bombeiros, quando os 439 militares acabaram presos.

"Acho sim que nossa ação foi radical, mas necessária. Tínhamos um comandante que seguia os interesses da categoria e a invasão acabou sendo necessária para reivindicarmos o que está sendo apresentado. Posso dizer também que houve excesso por parte do governo, que permitiu a entrada do Bope com fuzis. Alguns companheiros recolheram cápsulas depois que tiros de fuzis foram disparados. Os PMs jogaram gás de pimenta nos olhos dos militares (bombeiros). Então, acho que houve excesso de todos os lados", completou.

Saúde, educação e segurança. Para Laércio, os grande eventos que o Rio pretende sediar nos próximos anos não terão êxito caso os três pilares da sociedade não apresentem desolvimento. O salário e melhores condições para os bombeiros, de acordo com o cabo, seriam fundamentais para este sucesso.

"Agradecemos ao comandante Simões pela ajuda que nos vêm dando, mas acredito que se os bombeiros não tiverem condições dignas de trabalho não teremos uma sociedade desenvolvida e, sem os três pilares sociais, jamais poderemos sediar eventos como Rock In Rio, Copa do Mundo e Olimpíadas", completou.

Fonte: odia.terra.com.br

Segue abaixo o novo reajuste para os Policiais Civis, Policiais Militares e Bombeiros de Minas Gerais!!!

Os valores sao sem quinquenio!!!
A cada quinquenio (5 anos de serviço) o Bombeiro ou Policial recebe mais DEZ por cento de aumento.
Ou seja um Soldado com dois quinquenios vai estar ganhando quase 5 mil reais!!!
Um Cabo 6 mil reais, Um Terceiro Sargento mais de 7 mil reais e por aí vai...
E aqui neste Estado???
Bilhoes de reais para fazer as obras superfaturadas dos estadios de Futebol tem!!!
Para dar um salario digno para nós, nossos filhos e familia nao tem não!!!!
Prender os Policias e Bombeiros que estao lutando por dignidade pode!!!
Dar um salario digno nao pode!!!
Se em Minas Gerais pode, porque aqui nao pode!!!????

Bombeiros tentam convencer base do governo na Câmara a negociar melhores salários

A luta dos bombeiros pela anistia e por melhores salários deve ganhar mais um capítulo nesta terça-feira (14), quando eles pretendem se reunir com os deputados da base aliada ao governo Sérgio Cabral (PMDB) na Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro). A intenção do encontro é convencer os parlamentares a aderir à emenda elaborada pelos deputados que apoiam o movimento dos militares.

Nesta segunda-feira (13), deputados da oposição, favoráveis à causa dos bombeiros, fizeram uma emenda que propõe que as parcelas de reajuste salarial que seriam pagas até 2014 sejam antecipadas. Com isso, os soldados passariam a receber R$ 1.584. Mas, para atender as reivindicações dos militares que pedem um salário de R$ 2.000, os parlamentares também fizeram a proposta de aumento de 33%, que colocaria o piso da categoria no valor de R$ 2.111.

Os parlamentares também vão propor o pagamento do vale-transporte, um dos benefícios reivindicados pelos bombeiros.

A anistia do processo administrativo contra os 429 bombeiros presos após a invasão do Quartel Central da corporação no último dia 4 também foi discutida. O deputado Marcelo Freixo (PSOL) disse que aguarda retorno do novo comandante Sérgio Simões para tentar convencê-lo a desistir da punição administrativa.

- Queremos essa reunião com o Simões para que não haja punição.

A deputada Clarissa Garotinho (PR) ressaltou que, como governador, Cabral tem o poder de suspender o processo administrativo. Caso isso aconteça, não haverá necessidade de votar o projeto de emenda constitucional apresentado na Alerj.

- Mas, se a punição acontecer, vamos colocar a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) em votação.

A juíza Ana Paula Monte Figueiredo Pena Barros, da Auditoria da Justiça Militar do Rio, aceitou a denúncia oferecida pelo Ministério Público Estadual contra os 429 bombeiros e dois policiais militares presos no sábado (4), após a invasão do Quartel Central da corporação. Eles vão responder à ação penal militar pelos crimes de motim, dano em material ou aparelhamento de guerra, dano em aparelhos e instalações de aviação e navais, e em estabelecimentos militares.

O grupo de deputados que está apoiando os bombeiros na Alerj é formado por Flávio Bolsonaro (PP), Clarissa Garotinho (PR), Paulo Ramos (PDT), Marcelo Freixo (PSOL) e Janira Rocha (PSOL).

Deputados propõem salário de R$ 2.111 para bombeiros do Rio

Proposta atenderia reivindicação dos militares que pedem um piso salarial de R$ 2.000
Os deputados estaduais que apoiam o movimento dos bombeiros do Rio elaboraram nesta segunda-feira (13) uma emenda que propõe que as parcelas de reajuste salarial que seriam pagas até 2014 sejam antecipadas. Com isso, os soldados passariam a receber R$ 1.584. Mas para atender as reivindicações dos militares que pedem um salário de R$ 2.000, os parlamentares também fizeram a proposta de aumento de 33%, que colocaria o piso da categoria no valor de R$ 2.111.

Em relação ao vale-transporte, um dos benefícios reivindicados pelos bombeiros, os parlamentares propuseram uma emenda que prevê que o benefício seja pago com recursos do Funesbom (Fundo Especial do Corpo de Bombeiros).

Marcada para tarde desta segunda, a reunião com as líderes dos bombeiros e a base aliada do governador Sérgio Cabral (PMDB) não aconteceu. O encontro foi remarcado para esta terça-feira (14).

A proposta do governo estadual, enviada à Alerj, antecipando o reajuste de 5,58%, foi rejeitada pelos bombeiros. Cabral propôs a antecipação de dezembro para julho os reajustes que já eram previstos pela casa legislativa.

No entanto, a alteração não atende às exigências dos bombeiros, que reivindicam um piso salarial de R$ 2.000. Pela proposta, o salário dos militares passaria para R$ 1.152,93.

A anistia do processo administrativo contra os 429 bombeiros presos após a invasão do Quartel Central da corporação no último dia 4 de junho também foi discutida. O deputado Marcelo Freixo (PSOL) disse que aguarda retorno do novo comandante Sérgio Simões para tentar convencê-lo a desistir da punição administrativa.

- Queremos essa reunião com o Simões para que não haja punição.

A deputada Clarissa Garotinho (PR) ressaltou que, como governador, Cabral tem o poder de suspender o processo administrativo. Caso isso aconteça, não haverá necessidade de votar o projeto de emenda constitucional apresentado na Alerj.

- Mas, se a punição acontecer, vamos colocar a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) em votação.

Os bombeiros farão um ato ecumênico na próxima quinta-feira (16) nas escadarias da Alerj.

Decreto de Cabral favoreceu cliente de sua mulher em Angra

Escritório defende Luciano Huck, que teve obra embargada no município!!!
Alvo de ação civil pública movida pelo município de Angra dos Reis em outubro de 2007 por supostos danos ambientais e construções irregulares em sua casa de veraneio, o apresentador de TV Luciano Huck é representado pelo escritório de direito do qual é sócia a primeira-dama do Rio, Adriana Ancelmo Cabral. Seu marido, o governador Sérgio Cabral Filho (PMDB), editou, em junho do ano passado, o Decreto 41.921, que alterava a legislação da Área de Proteção Ambiental (APA) de Tamoios, na Baía de Ilha Grande. A medida, cuja constitucionalidade é questionada no Supremo Tribunal Federal (STF) pela Procuradoria-Geral da República, beneficiaria proprietários de residências consideradas irregulares na região ? caso de Huck e sua casa na Ilha das Palmeiras.

Ambientalistas contrários às mudanças determinadas por Cabral se referem ao decreto como "Lei Luciano Huck". Na Ação 2007.003.020046-8, que tramita na 2ª Vara Cível de Angra, o apresentador é representado por dois integrantes do escritório Coelho, Ancelmo e Dourado Advogados. O município obteve liminar, em maio de 2008, que obrigou Huck a paralisar as obras em sua casa, que incluíam a construção de bangalôs, decks, garagem de barcos e muro para criação de praia artificial, "o que pode ocasionar danos ambientais irreversíveis, assim como agravar os já existentes" ? conforme despacho do juiz Ivan Pereira Mirancos Junior.

Desde domingo, o Estado vem mostrando a atuação da primeira-dama e de seu escritório de advocacia em ações judiciais, como a defesa do Metrô Rio e do grupo Facility, um dos maiores fornecedores do governo Cabral.

Procurado, o governo do Estado indicou Instituto Estadual do Ambiente (Inea) para comentar o caso. Cabral e Adriana estão em Londres, na Inglaterra, e não foram localizados. Em nota, o Inea informou que a licença ambiental para a casa de Luciano Huck foi concedida em junho de 2004 e o Estado "desconhece a existência de ação do município de Angra contra o apresentador e os motivos que fizeram com que o município movesse a ação citada". Segundo o Inea, Huck nunca fez pedido ao Estado com base no decreto.

O polêmico Decreto 41.921 teria sido originalmente elaborado na Secretaria da Casa Civil, e não por órgãos ambientais do Estado do Rio ? segundo servidores que atuam no setor. Segundo o Inea, a informação não é verdadeira. "O decreto foi elaborado pela Secretaria do Ambiente e encaminhado à Casa Civil unicamente para a assinatura do governador e publicação."

Segundo o coordenador-geral da Sociedade Angrense de Proteção Ecológica (Sapê), o decreto não beneficia apenas o apresentador. "Em termos gerais, o decreto beneficiaria não só o Luciano Huck, mas grandes empreendimentos que não são regularizáveis pela legislação atual", afirmou.

Segundo o procurador-geral de Angra, André Gomes Pereira, todo processo de regularização que menciona o decreto é suspenso. "A gente tem uma resposta padrão informando que não haveria decisão enquanto não houvesse decisão na Ação Direta de Inconstitucionalidade em tramitação no STF", explicou Pereira.

Por sua assessoria, Luciano Huck informou que o escritório da primeira-dama "atua há vários anos como correspondente de Lilla, Huck, Otranto, Camargo Advogados", seus advogados em São Paulo, desde antes da gestão Cabral. "Não tínhamos conhecimento, até o momento, de que a primeira-dama do Rio de Janeiro era sócia desse escritório", informou a assessoria. O advogado Sérgio Coelho não quis comentar o caso e informou apenas que representa Huck e seus sócios desde 2002.

domingo, 12 de junho de 2011

Em busca de anistia, bombeiros vão continuar acampados em frente à Alerj

Mesmo depois da liberação dos bombeiros na manhã deste sábado (11), o acampamento nas escadarias da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), no centro da cidade, vai continuar, segundo os manifestantes.

Celina Vargas, mãe do soldado Ricardo, comemora a libertação dos companheiros do filho, mas diz que a mobilização não acabou.

- Não vamos sair daqui enquanto não houver a anistia legal. Vamos ficar acampados aqui em frente à Alerj. Aqui se tornou uma casa. Aqui o povo é realmente defendido.

O sargento Luís Ricardo, que foi libertado durante a manhã, também vai passar a noite nas escadarias da assembleia.

- Vamos continuar com toda a nossa base aqui. Amanhã será o grande dia. Voltamos à luta, só uma batalha foi vencida. Agora vamos nos preparar para amanhã [domingo]. Mas como moro longe, vou ficar por aqui.

Hoje sairão de madrugada, eles voltam a se encontrar na praça para retornarem ao Rio de Janeiro. Eles vão participar da manifestação em Copacabana às 9h.

600 mil assinaturas

Os Bombeiros do Rio de Janeiro farão uma campanha para arrecadar 600 mil assinaturas no Estado, informou na tarde deste sábado (11) o deputado estadual Flávio Bolsonaro (PP). Com a lista completa, os parlamentares farão um projeto de lei pedindo a anistia dos agentes que ficaram presos uma semana e foram denunciados pelo Ministério Público do Rio.

sábado, 11 de junho de 2011

Ainda existe esperança

Quando os Poderes Executivo ou Legislativo cometerem seus erros ou abusos, como no caso da prisão dos bombeiros do Rio de Janeiro, sempre haverá a chance de contarmos com o socorro do Poder Judiciário. Em minha opinião, esta prisão dos bombeiros cariocas foi o que podemos chamar de uma terrível atrocidade contra verdadeiros heróis.

Pois na madrugada desta sexta-feira (10), o Tribunal de Justiça do Estado do Rio Janeiro concedeu a liberdade para os 439 bombeiros que foram detidos há uma semana. O desembargador disse, em sua decisão, que não é justo que os bombeiros sejam rotulados como criminosos.

Foi uma vitória da justiça e devemos comemorá-la, sem dúvida. Mas, após constatar a resolução deste caso de abuso, fica a questão: e se o Poder Judiciário cometer algum erro ou agir de maneira inadequada? A quem recorrer?

Resposta? Ao próprio Poder Judiciário. É assim que funciona o sistema brasileiro. Em última análise, a reparação de erros e abusos sempre é feita pelo Judiciário, seja qual for o Poder da República a ser julgado.

Mas hoje é dia de comemorar porque, como diz o título, ainda existe esperança.

Excursão de oficiais no exterior vale R$ 930 mil

Corpo de Bombeiros gastará R$ 14 mil para custear hospedagem e alimentação de cada um dos 33 tenentes-coronéis que farão viagem de 20 dias à Europa

O mar está para os peixes graúdos no Corpo de Bombeiros. O orçamento da Secretaria de Defesa Civil prevê para este ano a despesa de R$ 930 mil com viagens internacionais e nacionais de 75 oficiais. A maior fatia da receita, perto de R$ 660 mil, ficará com 33 tenentes-coronéis.

Cada oficial de alta patente receberá R$ 14.389,76 só para alimentação e hospedagem por cerca de 20 dias em Portugal, Alemanha, Itália e França — equivalente a diária média de R$ 720, mais da metade do salário pago pelo estado a soldado bombeiro em início de carreira, hoje fixado em R$ 1.187,37.

As viagens dos 75 oficiais fazem parte dos cursos de Superior de Comando (tenentes-coronéis) e Aperfeiçoamento de Oficiais (para capitães) e servem para trocar conhecimento e experiência. As aulas começaram em maio, na Escola Superior de Comando de Bombeiro Militar, em Guadalupe.

No tour de setembro deste ano pela Europa, os alunos terão a obrigação de visitar quartéis de Bombeiros ou de Defesa Civil de quatro cidades nos países. No final, a única obrigação é apresentar um relatório.

A previsão de despesas com o passeio foi publicada nos boletins internos da Subsecretaria de Defesa Civil nos dias 4 e 5 de maio. O Corpo de Bombeiros destinou R$ 474.862,08 para hotel e alimentação de 33 tenentes-coronéis na Europa e mais R$ 219.770,08 para 42 capitães, na América do Sul.

O custo das passagens ainda não foi calculado. Mas como os destinos são semelhantes aos de anos anteriores (Europa e EUA), os coronéis devem gastar R$ 190 mil da Defesa Civil, enquanto os capitães morderão mais R$ 45 mil.

Em 2010, 32 tenentes-coronéis e três coronéis percorreram, entre 5 e 28 de setembro, Barcelona, Roma, Londres e Paris. Foi a 1ª vez que o passeio ganhou incremento financeiro do Corpo de Bombeiros. Nos anos anteriores, o passeio era restrito a dois países. E levou R$ 800 mil. Segundo a Secretaria de Defesa Civil, as viagens permitem conhecimento de novas tecnologias. A escolha dos países se baseia na experiência em eventos internacionais.

Roteiro de viagens por "centros de excelência" europeus

A turma de 2010 contou com um convidado fora de hora: o coronel Itamar de Oliveira, na época subchefe do Estado-Maior dos Bombeiros. Ele entrou na excursão dos alunos por Paris, Londres, Barcelona e Roma. É que o tenente-coronel Marco Aurélio de Queiroz desistiu da viagem e, para não perder o espaço na delegação, o comando indicou Itamar. Embora o grupo já estivesse com a cota preenchida de dois supervisores: os coronéis Jorge Sampaio de Deus Filho e Hélio de Oliveira.

Os responsáveis pela elaboração das viagens dos alunos da Escola Superior dos Bombeiros também gostam de alguns países, em especial França, Itália e Alemanha. Nos últimos anos, estes têm sido sempre alguns dos endereços frequentados pelas turmas de tenentes-coronéis. França e Itália serão visitadas dois anos seguidos. Um sucesso.

A Secretaria de Defesa Civil defende a repetição de cidades na viagem dos oficiais, ao invés da alternância para levar seus comandantes a conhecer o funcionamento de todos os quartéis do mundo. Na visão dos bombeiros, a escolha recai sempre sobre os “centros de excelência” e vale a pena para o estado mesmo sob o risco de, em poucos anos, todos os oficiais conhecerem as mesma instalações.

Outra defesa da secretaria está na exigência de levar todos os formandos e não só um grupo multiplicador. A tese é de que os oficiais que participam da viagem, no retorno ocuparão cargos estratégicos no Corpo de Bombeiros. Da última turma, no entanto, nenhum dos alunos está em cargo de chefia.

Luta para igualar salário ao da capital

O reajuste salarial de bombeiros, PMs e policiais civis está em discussão na Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara.

Os parlamentares estudam as PECs 300/08 e 446/09, que estabelecem piso nacional e igualam os salários dos servidores de todo País aos do Distrito Federal. Lá, o piso dos militares é de R$ 4,8 mil, quatro vezes mais que o daqui. A equiparação foi uma das exigências dos bombeiros, que, há 10 dias, invadiram o QG.

A Secretaria de Planejamento explicou que as remunerações dos militares do DF são pagas por fundo constitucional. E que, pelo princípio federativo, estados têm autonomia para estabelecer políticas de RH.

Bico: camelô e limpador de piscina nas horas vagas

Os baixos salários empurram os bombeiros para ‘bicos’. Há 20 anos na corporação, o 2º sargento Paulo Nascimento, 42, paramédico do Grupamento de Socorro de Emergência do Catete, já trabalhou até de camelô. “Ganho R$ 2,8 mil. Para pagar as contas, dou aulas de Segurança no Trabalho e Primeiros Socorros em faculdades e cursos comunitários. No início, trabalhei de camelô na rodoviária de Campo Grande”.

O cabo Jorge de Oliveira, 41 anos, do 2º GMAR, limpa piscinas: “Com um salário líquido de R$ 1.150, não conseguiria adquirir um bem material sem o 'bico'"

A inflação vai corroer o reajuste

Considerando a inflação anual de 6% ao ano, o reajuste de 5,58% concedido pelo governo aos bombeiros, PMs, policiais civis e agentes penitenciários vai representar, ao final de quatro anos, um ganho real de 22,7%.

Isso significa, segundo o economista Marcos Henriger, que os R$ 2.077,23 que o soldado vai receber em dezembro de 2014 representará um poder aquisitivo de R$ 1.654,36.

Para o deputado federal Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), autor da PEC 300 — que equipara os salários dos bombeiros e PMs com o dos militares do Distrito Federal —, a crise da corporação pode pressionar para que a votação da proposta entre logo na pauta.

Comandante suspende prontidão da Polícia Militar no domingo

O local de todos os policiais civis e militares no domingo é em Copacabana!!!


O comandante da Polícia Militar, coronel Mário Sérgio Duarte, informou na manhã deste sábado que a escala extraordinária deste domingo para todo efetivo da PM no estado foi suspensa. Os PMs teriam que ficar de prontidão por causa da passeata dos bombeiros marcada para a manhã deste domingo, na Orla de Copacabana.

Segundo Mário Sérgio, o coronel Sérgio Simões, novo secretário de Defesa Civil e comandante do Corpo de Bombeiros, informou que o clima na cidade é de absoluta tranquilidade. Ainda de acordo com o comandante, apenas os efetivos do 19º BPM (Copacabana) e do 23º BPM (Leblon) terão escala diferenciada, das 9 às 14h, por causa da manifestação dos bombeiros.

O coronel afirmou também que manterá o plantão reforçado na área do 14º BPM (Bangu) devido aos confrontos entre traficantes, na Vila Kennedy.

Em comunicado oficial divulgado na sexta-feira, o chefe do Estado Maior operacional da Polícia Militar, coronel Álvaro Garcia, afirmou que toda a tropa foi colocada de prontidão. Desde ontem, o expediente tinha sido prorrogado "até ordem em contrário". O documento dizia ainda que no dia 12 de junho, data marcada para a manifestação dos bombeiros na Zona Sul do Rio, todo o efetivo da PM deveria se apresentar em suas unidades.

Bombeiros saem marchando e cantando do Quartel de Charitas

Os mais de 400 bombeiros presos e dois policias militares saíram marchando do Quartel Central dos Bombeiros de Charitas, em Niterói, região metropolitana do Rio. Os militares cantaram o hino da corporação e o Hino Nacional, e seguiram em direção aos ônibus. Muitos familiares e vários moradores de Niterói acompanharam emocionados a libertação dos presos.

Os militares se aglomeram em frente ao Quartel, do outro lado da rua, para aguardar a liberação de 12 presos, que ainda estavam sem alvará de soltura. Segundo o advogado Aderson Bussinger Carvalho, da Comissão de Direitos Humanos da OAB, eles estão providenciando com a Justiça esses outros alvarás. A corregedoria da Polícia Militar teria enviado uma lista incompleta para a Justiça.

Dos 439 presos, 15 não tinham nem nota de culpa, que é o documento que a autoridade é obrigada a entregar ao preso, na hipótese de flagrante, informando-o do que se alega contra ele. Isso significa, que eles eles ficaram presos sem motivo, já que não foram denunciados. E alguns autos de flagrante tinham a data errada, 7 de junho como o dia do flagrante.

Após ser solto, bombeiro diz que ainda faltam as anistias criminal e administrativa



O cabo Benevenuto Daciolo, um dos líderes do movimento, foi um dos nove bombeiros liberados no fim da noite desta sexta-feira, e durante a madrugada ele concedeu uma entrevista. Daciolo agradeceu a população carioca e disse que eles (bombeiros) estarão sempre à disposição da população. "O que aconteceu foi só a liberdade, mas ainda faltam as anistias criminal e administrativa (da própria corporação)", declarou sobre a liberação dos presos. "O fundamental em primeiro lugar é o diálogo, que demorou a acontecer".

Os bombeiros ainda exigem o fim das gratificações, salários de R$ 2 mil, vale-transporte e reajuste anual.

Sobre a prisão dos 439 militares, ele afirma que não houve invasão ao Quartel Central da corporação. "Ninguém é covarde ou vândalo. E não houve invasão ou resistência", disse. "Ali tinham crianças e parentes dos bombeiros. Não houve dano ao patrimônio. Simplesmente nos 'aquartelamos', porque lá é o nosso lar".
"Quando o Bope e o Batalhão de Choque invadiram, foi um erro do governo. Poucos daqueles militares foram agressivos, mas os que foram envergonharam a farda", declarou.

O cabo ainda criticou o aumento de 6% proposto pelo governo e disse que vai deixar a própria população responder. "Peço que eles me ensinem a viver com 950 reais líquido", disse Benevenuto, que tem dois filhos.

Bombeiros assinam alvarás de soltura em quartel de Niterói


Os mais de 400 bombeiros presos no quartel de Charitas, em Niterói, na Região Metropolitana do Rio, estão assinando os alvarás de soltura neste sábado (11). Os oficiais de Justiça chegaram pouco depois das 4h ao local. Segundo os bombeiros, eles pretendem deixar o quartel juntos ainda nesta manhã e seguir para a Assembleia Legislativa do Rio.
Os bombeiros foram presos no sábado (4), após invadirem o Quartel Central da corporação, no Centro do Rio, durante manifestação por reajuste salarial e melhores condições de trabalho.
Grupo de bombeiros é solta na Zona Norte
O grupo de bombeiros que estava preso no Grupamento Especial Prisional (GEP), em São Cristóvão, na Zona Norte, deixou a unidade por volta das 23h de sexta-feira (10), menos de uma hora após a chegada de dois oficiais de Justiça.

Um comboio formado por, pelo menos, seis carros deixou o GEP com bandeiras e fitas vermelhas. Na saída dos militares, houve buzinaço e gritos de comemoração dos parentes que aguardavam a liberação.
Segundo Cristiane Daciolo, mulher do cabo Benevenuto Daciolo, um dos líderes do movimento que estava preso no local, os oficiais de Justiça entregaram os alvarás de soltura de três líderes do movimento e outros seis oficiais, incluindo a tenente Lucrécia Belo da Fonseca.
Cristiane informou também que na próxima segunda-feira (13) deve haver uma reunião dos bombeiros com representantes do governo. "A reivindicação hoje é pela anistia, após a libertação dos bombeiros. Queremos principalmente a anistia. As reivindicações por melhores condições de trabalho e salário continuam", disse ela.
Eles seguiram em carreata para Niterói, na Região Metropolitana do Rio, onde está o outro grupo formado por mais de 400 bombeiros que segue preso no quartel de Charitas. O grupo se reuniu aos colegas no interior do quartel, por volta das 23h40, e festejou a libertação aos gritos de "O bombeiro voltou!".
Habeas corpus
Os bombeiros conseguiram habeas corpus para sair da prisão após o pedido de um grupo de deputados federais. A decisão que favoreceu os presos é do desembargador Cláudio Brandão, que estava de plantão judiciário na madrugada.
O Tribunal de Justiça explicou que o habeas corpus é uma decisão liminar, que ainda vai ser julgada. Ou seja, será enviado por sorteio a uma Câmara Criminal. Nela, o relator, que também é um desembargador, poderá confirmar ou não a decisão.
MP denuncia bombeiros e PMs
Ainda na noite desta sexta-feira, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ) denunciou à Justiça os 429 bombeiros e dois PMs que foram presos após manifestação que culminou com a invasão do quartel. As informações são do MP-RJ. A denúncia foi subscrita pelos Promotores de Justiça Leonardo Cuña e Isabella Pena Lucas.

Secretário diz que não haverá perseguição a presos
O secretário estadual de Defesa Civil e comandante dos bombeiros no Rio, Sérgio Simões, declarou em entrevista coletiva realizada na tarde desta sexta-feira (10) que não haverá qualquer tipo de perseguição aos agentes presos. "Não haverá perseguição. Perseguição não é a palavra adequada para a instituição Corpo de Bombeiros. Vamos nos ater à apuração dos fatos, nada além disso. Do soldado ao coronel, temos a mesma farda e os mesmos objetivos. A palavra que tenho com minha tropa é respeito."

O comandante também afirmou que eles poderão voltar ao trabalho normalmente após a libertação.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Para não aderir ao protesto ,PMS não poderão sair do quartel no Domingo

Venham policiais Civis e Militares,essa luta também é de vocês!!!

Em comunicado oficial divulgado nesta sexta-feira pelo chefe do Estado Maior operacional da Polícia Militar, coronel Álvaro Garcia, toda a tropa foi colocada de prontidão. A partir desta sexta-feira, o expediente foi prorrogado "até ordem em contrário". O documento diz ainda que no dia 12 de junho, data marcada para a manifestação dos bombeiros na Zona Sul do Rio, todo o efetivo da PM deverá se apresentar em suas unidades.
Eu só me faço uma pergunta: Os policiais irão aceitar tudo isso pacificamente e deixarem de entrar para a história e conseguirem a tão sonhada dignidade que todos nós buscamos?

Senador Lindbergh propõe anistia a bombeiros do Rio


O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) propõe a concessão de anistia aos bombeiros do Rio de Janeiro que sofreram punições por participação nos recentes movimentos reivindicatórios. A proposta foi protocolada na quinta-feira.

Em sua justificação, o senador lembra que os bombeiros estão, desde o início de junho, mobilizados por melhores vencimentos e condições de trabalho e não podem ser tratados como bandidos.

- É uma luta justa, já que recebem uma das piores remunerações do Brasil - afirma.

De acordo com o projeto, a anistia abrange os crimes definidos no Código Penal Militar (Decreto-Lei 1.001/69) e infrações conexas, entre 1º de junho e a publicação da lei.

A crise dos bombeiros do Rio de Janeiro chegou ao apogeu na noite de 3 de junho, quando manifestantes invadiram o Quartel Central da corporação. A Polícia Militar desocupou o quartel, prendendo 439 bombeiros. Outros bombeiros acamparam em frente à Assembleia Legislativa pedindo a libertação dos colegas e o diálogo com o governo do estado. Nesta sexta-feira , a justiça fluminense concedeu habeas corpus aos bombeiros.

Bombeiros do Rio de Janeiro detidos em quartel passam por exames para serem soltos

Os bombeiros do Rio de Janeiro detidos no Quartel de Charitas, em Niterói, estão passando por procedimentos para serem soltos. Pelo menos dez militares já fizeram exame de corpo de delito e estão almoçando na unidade.

A expectativa é a de que os 439 bombeiros detidos saiam juntos do quartel e participem de uma carreata até a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). No local, um grupo está acampado, desde o último sábado (4), reivindicando a libertação dos colegas e melhorias salariais.

Os bombeiros foram detidos após o protesto no Quartel General da corporação, no centro do Rio, na última sexta-feira (3). Ontem (9), o governador Sérgio Cabral anunciou um reajuste de 5,58% para a corporação. No entanto, os bombeiros decidiram permanecer mobilizados por um reajuste maior e pela anistia de todos os militares envolvidos no protesto da semana passada.

Do lado de fora do Quartel de Charitas, dezenas de simpatizantes ao movimento e parentes dos bombeiros aguardam a liberação dos detidos. A aposentada Isis Maia, de 55 anos, mãe do cabo Willian Maia, 28 anos, está acampada há 7 dias esperando pelo filho. Para ela, o fim da prisão significará o começo da luta pela anistia. ´Não é o habeas corpus uma anistia total. Não vai tirar esta mancha que está sobre eles [os bombeiros]. Eles não são vândalos, são salvadores de vida, que foram acuados por uma ação do governo do estado´.

Durante a manhã, uma comissão formada pelos deputados federais Alessandro Molon (PT-RJ), Delegado Protógenes (PCdoB-SP) e Dr. Aluizio (PV-RJ) visitaram os bombeiros presos para informá-los da decisão do Tribunal de Jutiça de conceder-lhes liberdade provisória. De acordo com Molon, a comissão vai defender, no Congresso Nacional, a aprovação de um projeto de lei anistiando os militares que participaram do protesto no quartel central da corporação.