quinta-feira, 29 de setembro de 2011

SOS Bombeiros - Convocação Geral



Observação importante: Não será manifestação. Muito menos reunião para ouvir políticos. Esta assembleia deve ter o máximo de bombeiros e policiais possível, pois será definido um meio de incluir propostas favoráveis a nossa classe para o orçamento de 2012. Em breve será decidido o destino dos Royalties do petróleo e se entrarmos 2012 sem previsão orçamentária para aumento de salário, nossa briga será muito mais difícil.

Reúna o máximo possível de militares! Leve todos os colegas que puder. Vamos tentar algo palpável. Uma das possibilidades é o adiantamento das parcelas de aumento que estão sendo pagas em 48 vezes. Mas é preciso união!

É URGENTE que os pedidos de ônibus do interior, Campo Grande, Campinho, etc, sejam feitos o mais rapidamente possível pelo telefone 21 7833-9216.

Continuamos recebendo perguntas, então vamos reforçar que o dia 30 não é reunião apenas dos representantes, é assembleia geral de TODOS os bombeiros.

A assembleia será dia 30, sexta, às 18h, no Clube dos Portuários (Av, Francisco Bicalho, 47). ACESSE O MAPA AQUI.

O acampamento permanece na Alerj e continuamos recebendo doações para a cozinha do acampamento. O ACAMPAMENTO FOI INICIADO NO DIA 30 de agosto, portanto nesta quarta-feira, dia 28, completamos exatamente 29 DIAS DE DURA RESISTÊNCIA DIA E NOITE ACAMPADOS NAS ESCADARIAS DA ALERJ. Na quinta-feira, chegaremos a exatos 30 dias, UM MÊS, senhores.
Senhores, não podemos nos esquecer: foi ele mesmo, o sr. Governador, disse que o servidor público é prioridade e que o Estado te recursos. O QUE ELE DISSE NA CAMPANHA ELEITORAL, QUANDO PRECISAVA DE VOTOS, não pode ter mudado do dia pra noite!

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Deputados aprovam anistia a bombeiros do Rio e de mais 12 estados

Já aprovada pelo Senado, proposta segue para sanção presidencial.
O Plenário aprovou nesta terça-feira o Projeto de Lei 2042/11, do Senado, que concede anistia aos policiais e bombeiros militares do Rio de Janeiro, de outros 12 estados e do Distrito Federal, punidos por participar de movimentos reivindicatórios. A matéria será enviada à sanção presidencial.
A anistia se refere aos crimes tipificados no Código Penal Militar (Decreto-lei 1.001/69) e não os definidos no Código Penal (Decreto-lei 2.848/40).
Para os policiais e bombeiros militares dos estados de Alagoas, de Minas Gerais, do Rio de Janeiro, de Rondônia e de Sergipe, a anistia abrange a participação em movimentos por melhorias de remuneração ocorridos entre 1º de janeiro de 1997 e a data de publicação da futura lei.
No caso do Distrito Federal e dos estados da Bahia, do Ceará, de Mato Grosso, de Pernambuco, do Rio Grande do Norte, de Roraima, de Santa Catarina e do Tocantins, a anistia se refere ao período de 13 de janeiro de 2010 – data de publicação da Lei 12.191/10 – e a data de publicação da futura lei.
Fim da obstrução
Deputados comemoraram a aprovação da anistia criminal dos bombeiros do Rio de Janeiro e de outros estados. O deputado Anthony Garotinho (PR-RJ) prometeu que o partido vai desistir da obstrução às sessões do Congresso Nacional e permitir as votações desta quinta-feira. “Aprovada a proposta, não haverá nenhuma obstrução nas sessões conjuntas”, disse.
Para o deputado Zoinho (PR -RJ), a obstrução do PR foi fundamental para pressionar pela votação da proposta. “O PR conseguiu obstruir as sessões de maneira inteligente para forçar o consenso e permitir a votação dessa causa justa”, opinou.
Para o deputado Stepan Nercessian (PPS-RJ), a anistia é apenas uma etapa da luta dos bombeiros cariocas por melhores salários. “A anistia encerra um etapa dos bombeiros, mas não encerra a luta por melhores condições de trabalho”, avaliou.
As deputadas Benedita da Silva (PT-RJ) e Jandira Feghali (PCdoB-RJ) ressaltaram o acordo feito entre os líderes que permitiu a votação da proposta em poucos minutos. “É com muita satisfação que fizemos essa votação, com a articulação de todos os partidos”, destacou Benedita.
O deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) destacou que o seu partido deu “total apoio” à anistia desde o primeiro momento.
Alguns deputados aproveitaram o momento para defender a aprovação do piso nacional de bombeiros e policiais (PECs 300/08 e 446/09) e a melhoria dos salários desses profissionais. “Votaremos certamente a favor dos policiais em relação à PEC 300”, disse o líder do PRB Victor Paulo.
“Em um dos estados mais ricos do País, não pode um policial em início de carreira ganhar mil reais”, criticou Jair Bolsonaro (PP-RJ).
Otavio Leite (PSDB-RJ) destacou que a anistia vai permitir que o debate entre bombeiros e o governo do estado seja mais democrático. “Aqueles bombeiros que se mobilizaram de maneira legítima por conta de uma ausência de diálogo foram levados à radicalização por uma falta de democracia do estado”, disse.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Bombeiros ameaçam acampar na porta de Sérgio Cabral

A Justiça determinou na quinta-feira a libertação dos dois bombeiros presos na madrugada de quarta-feira, durante protesto da categoria em frente ao Palácio Guanabara. Em reação à prisão e ao impasse nas negociações com o estado, a direção do movimento SOS Bombeiros decidiu mobilizar a categoria para, nos próximos dias, transferir o acampamento na escadaria da Alerj para a frente do Palácio, nos dias úteis, e para a porta do prédio onde mora o governador Sérgio Cabral, no Leblon, nos fins de semana.
O cabo Beneveluto Daciolo e o capitão Alexandre Marquesini, segundo nota da Secretaria de Defesa Civil, haviam sido presos pelo crime de desobediência (artigo 163 do Código Penal Militar). O capitão foi levado para o Batalhão Especial Prisional, enquanto o cabo, com problemas renais, foi internado no Hospital Central da corporação.

Os dois foram soltos graças a um habeas corpus concedido pelo plantão do Tribunal de Justiça . Ao pedir o benefício, os defensores públicos Luiz Felipe Drummond e Daniel Lozoya alegaram que os dois bombeiros foram detidos por não aceitar se afastar das proximidades do Palácio Guanabara. Para os defensores, as prisões foram ilegais, pois violaram os direitos constitucionais de ir e vir e de reunião.
De manhã, na BandNews, o secretário de Defesa Civil e comandante-geral da corporação, coronel Sérgio Simões, afirmou que o governo não vai conceder o piso salarial de R$ 2 mil líquidos reivindicado pelos bombeiros. Ele afirmou ainda que a gratificação de R$ 350, dada aos bombeiros da ativa, será estendida aos servidores em licença médica.

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Cap.Marquesini e Cabo Daciolo foram soltos

Todos para a ALERJ,a batalha continua!!!
O cabo Beneveluto Daciolo e do capitão Alexandre Marquesini foram soltos na madrugada desta quinta-feira (15) após a Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro obter a liberdade (habeas corpus) dos dois bombeiros. Eles foram detidos na madrugada de quarta-feira (14) no Palácio Guanabara, em Laranjeiras, na zona sul do Rio. A liminar foi deferida pelo plantão noturno do Tribunal de Justiça.

No requerimento, os defensores Luis Felipe Drummond e Daniel Lozoya afirmam que as prisões dos dois foram ilegais, já que os militares foram detidos apenas porque, em tese, teriam praticado o crime militar de recusa a obediência, por terem “recusado a se afastar das proximidades do Palácio Guanabara”, ordem que violaria os direitos constitucionais de ir e vir e o direito de reunião.

Os bombeiros estavam presos no Grupamento Especial Prisional dos Bombeiros, em São Cristovão, zona norte da cidade.

Segundo Cristiane Daciolo, mulher do cabo Daciolo, o marido foi para o Hospital do Corpo de Bombeiros, no Rio Comprido, zona norte, para fazer uma tomografia, pois está com pedra no rim. De acordo com Cristiane, após os exames, ele vai se juntar aos manifestantes na escadaria da Alerj, no Centro do Rio.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Bombeiros fazem manifestação no Centro do Rio

Um grupo de bombeiros faz uma manifestação, na noite desta quarta-feira (14), na Avenida Presidente Vargas, no Centro do Rio. A informação foi confirmada pelo 5º BPM (Praça da Harmonia). De acordo com o Centro de Operações da prefeitura da cidade, devido ao protesto, uma faixa da via está interditada. Eles pedem aumento salarial e benefícios.
Ainda de acordo com o Centro de Operações, o tráfego está lento e com retenção, na pista sentido Canedelária. Segundo a Polícia Militar, seis viaturas do batalhão acompanham o protesto. Alguns bombeiros seguem acampados em frente à Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj).
O porta-voz dos bombeiros, cabo Pedro Ivo, afirmou na manhã desta quarta-feira que o cabo Beneveluto Daciolo e o capitão Alexandre Marquesini, dois líderes do movimento, foram presos na noite de terça-feira (13) por desobediência. A prisão aconteceu após um grupo de bombeiros protestar em frente ao Palácio Guanabara, na Zona Sul. Os dois estão detidos no Grupamento Especial Prisional (GEP), na Zona Norte.
"O cabo e o capitão continuam presos. Segundo deputados, eles foram presos por desobediência. Eles pediram para que nós parássemos de protestar no Palácio, mas não tem como fazer acordo com uma ditadura dessas", reclamou Pedro Ivo.

Bombeiros seguem acampados em frente à Alerj

Cerca de 150 bombeiros seguem acampados nesta quarta-feira (14) em frente ao prédio da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), no Centro do Rio. As informações são de um dos porta- vozes do movimento "S.O.S Bombeiros", cabo Pedro Ivo. Uma equipe do 5º BPM (Praça Harmonia) está no local para assegurar que não haja tumulto.
Dois presos
Na terça-feira (13), os bombeiros fizeram um protesto em frente ao Palácio Guanabara, na Zona Sul. Segundo Pedro Ivo, os manifestantes chegaram a acampar em frente à sede do Governo do Rio, mas, após um pedido do comando da corporação, eles decidiram retornar e acampar em frente à Alerj. Apenas dois bombeiros permaneceram no Palácio: o cabo Beneveluto Daciolo e o capitão Alexandre Marquesini, dois líderes do movimento. Segundo o porta-voz, eles foram presos.
"Chamaram os dois no Palácio para conversar. Lá dentro foi dada voz de prisão para eles", disse Ivo, que disse não ter informação sobre o motivo da prisão.
Por volta das 4h40 desta quarta-feira (14), os dois bombeiros chegaram ao Grupamento Especial Prisional (GEP), em Benfica, na Zona Norte. As informações são de bombeiros que trabalham no local. Segundo eles, os dois manifestantes chegaram tranquilos e foram dormir.
De acordo com Pedro Ivo, ainda nesta quarta-feira (14), uma nova manifestação deve acontecer em frente à Alerj. Segundo ele, bombeiros de vários quartéis do estado devem comparecer ao protesto.

Bombeiros são presos após protesto em frente ao Palacio Guanabara

CB DACIOLO E CAP MARCHESINI foram presos, no início da madrugada desta quarta-feira, dentro do Palácio Guanabara, conforme informou a deputada estadual Janira Rocha (PSOL) e demais manifestantes que estão acampados na porta da Alerj. Segundo a parlamentar, por volta da 1h da manhã, o subcomandante dos bombeiros e o corregedor, coronéis Ronaldo Jorge Alcântara e Marcos Tadeu Moreira, solicitaram a presença do cabo Beneveluto Daciolo e do capitão Alexandre Marquesini no interior do Palácio e os prenderam. As acusações não teriam sido informadas.
Os manifestantes disseram que durante à noite desta terça-feira, um grupo de bombeiros foi até o Palácio Guanabara. Após os protesto, o subcomandante e o corregedor teriam pedido aos líderes do movimento que retirassem os militares do local. Parte dos bombeiros foram para a Alerj e a outra parte regressou para suas casas.
A deputada Janira Rocha contou que presenciou o momento em que os líderes foram chamados pelos seus superiores. Ainda de acordo com ela, os coronéis não permitiram que ela acompanhasse os bombeiros:
- Eles chamaram o Daciolo e o Marquesini, pediram que entrassem no Palácio e o prenderam. Mais cedo eles haviam dito que se apenas os dois permanecessem no local não haveria problemas.
Janira Rocha também contou que os líderes foram encaminhados para o Quartel Central dos Bombeiros, para prestar depoimento à corregedoria da corporação, e em seguida seriam transferidos para o Grupamento Especial Prisional (Gepe). Ninguém do Corpo de Bombeiros foi encontrado para confirmar a prisão dos militares.
Devido a prisão de Marquesini e Daciolo, o movimento SOS Bombeiros, criado pelos manifestantes, remarcou a concentração do grupo para a porta da Alerj, às 11h da manhã desta quarta-feira. Anteriormente o grupo se reuniria no Palácio Guanabara.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Bombeiros protestam na Alerj

O movimento dos bombeiros realiza protesto nesta terça-feira (13), a partir das 16h, nas escadarias da Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro).

Diversos bombeiros permanecem acampados na Alerj há 14 dias, desde a manifestação do dia 30 de agosto. O ato e o acampamento contam apenas com os bombeiros militares de folga, sem comprometer o funcionamento de qualquer atividade.

As reivindicações são as mesmas desde abril, quando mais de 400 homens da corporação invadiram o Quartel Central. Eles querem piso salarial de R$ 2.000 líquidos, fim das gratificações e auxílio transporte em valor que atenda a real necessidade de deslocamento e para todos os militares.

As reivindicações permanecem as mesmas desde abril: piso salarial de R$ 2 mil líquidos, fim das gratificações e auxílio transporte em valor que atenda a real necessidade de deslocamento e para todos os militares. Além disso, os bombeiros pedem a aprovação na Câmara dos Deputados do Projeto de Lei que concede anistia criminal aos 439 presos (o PL do Senado n. 325 de 2011 tramitou dia 17 de agosto do Senado para a Câmara dos Deputados e não houve qualquer avanço desde então).

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Bombeiros do Rio Fazem nova manifestação no Desfile de 7 de Setembro na Av: Presidente Vargas


Cerca de 500 bombeiros, concentrados na Avenida Presidente Vargas, no Centro, em frente ao Palácio Duque de Caxias estão sentados em arquibancadas fazendo alguns protestos. De acordo com o cabo Benevenuto Daciolo, o governador do Estado do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral Filho, não mantém qualquer diálogo com eles há 3 meses.
_ O coronel Sérgio Simões (que recetemente assumiu o cargo de comandante geral do Corpo de Bombeiros) tem nos ouvido, mantendo conversas constantes, mas ele não tem autonomia para atender às nossas reivindicações.Bombeiros realizaram uma manifestação pacífica no desfile do Dia da Independência, na avenida Presidente Vargas, no centro do Rio de Janeiro, na manhã desta quarta-feira. Os militares ocuparam a arquibancada central, em frente ao Pantheon de Duque de Caxias e ao palanque das autoridades.
Os bombeiros, vestidos com camisas vermelhas, cobraram melhores salários e condições de trabalho. Uma faixa com os dizeres "governador ignora os bombeiros" foi estendida. Mais de 5 mil pessoas acompanharam o desfile.
O comandante geral da Polícia Militar (PM), coronel Mário Sérgio Duarte; o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame; a chefe de Polícia CIvil, Martha Rocha; e o comandante militar do Leste, general Adriano Pereira Junior, estiveram entre as autoridades presentes.

sábado, 3 de setembro de 2011

Para um momento de reflexão


Vejam essa foto e façam a comparação com Policiais e Bombeiros de todos o Brasil,estamos presos a algo e não sabemos a força que temos,ficamos recebendo gratificações ou melhor esmolas e não temos a noção que a partir do momento que tivermos salários dignos poderemos ter mais tempo para nossos filhos e familiares e não precisaremos ficar presos a "bicos" para aumentar a renda e podermos oferecer um pouco a mais a quem tanto precisa muita das vezes da nossa simples presença,então pense em seus filhos ,pense na sua esposa,pense na família que você tem e coloque a "cara a tapa" e vamos lutar pela PEC 300 .
E aos Bombeiros e Policiais do Rio de Janeiro que se esqueçem que gratificação não é salário e que se iludem com tudo isso que possam refletir e ver que agora é hora de estarmos unidos para conquistarmos o que todos sonham,DIGNIDADE ATRAVÉS DE UM SALÁRIO DIGNO.
"Não devemos ter medo dos confrontos. Até os planetas se chocam e do caos nascem as estrelas."

Vá para a ALERJ,e ajude aos companheiros a conquistarem a tão sonhado dignidade.



Cabral tenta driblar bombeiros durante protesto em Copacabana


O governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), tentou driblar um grupo de 30 bombeiros que faziam uma manifestação nesta sexta-feira na frente da nova UPA (Unidade de Pronto Atendimento) de Copacabana, na zona sul do Rio.
A agenda do governador apontava que ele participaria da inauguração da UPA a partir das 10h e do prédio sede da UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) do Pavão-Pavãozinho em seguida. Ele, no entanto, inverteu os compromissos ao ser avisado por seguranças e assessores de que os bombeiros o aguardavam em protesto.

"O Corpo de Bombeiros tenta dialogar com o governador e não consegue. É lamentável", disse o cabo Benevenuto Daciolo, presidente da associação SOS bombeiros. Entre as reivindicações do grupo estão o piso salarial de R$ 2.000 e o vale transporte para todos.

Procurada pela reportagem, a assessoria de Cabral informou que não sabia o porquê da mudança da agenda do governador. Além dos bombeiros também participaram do protesto da manhã de hoje os servidores da saúde.