quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Bombeiros sofrem acidente na BR-116

Uma unidade de resgate do Corpo de Bombeiros de Manhuaçu saiu da pista após seu condutor perder o controle da direção ao entrar numa curva no km 579 da BR-116 na manhã desta quinta-feira (29). O acidente aconteceu às 06h30, próximo da comunidade de São Pedro do Avaí, em Manhuaçu.
O Sargento Cleber Marcílio Figueiredo Soares, 37 anos, condutor da viatura UR (Unidade de Resgate) 0565, placa HMH-0178, contou que seguia pela rodovia para atender uma ocorrência de acidente de trânsito próximo à cidade de Santa Bárbara do Leste. Ao tentar fazer a curva, perdeu o controle sobre a direção. O carro invadiu a pista contrária no momento que vinha uma carreta bitrem em sentido contrário.
Para evitar a colisão frontal, ele deu um golpe na direção para a direita. A viatura saiu da pista, passando por entre algumas árvores de eucalipto e caiu em uma ribanceira de aproximadamente doze metros. O veículo parou tombado a poucos metros de um córrego que, devido às chuvas intensas, estão caindo na região, encontra-se com o volume de água bastante elevado.
O Sargento Marcílio sofreu lesões leves. Na viatura estava também o Soldado Jonatas Souza Gomes, 20 anos, que saiu ileso neste acidente.
PNEUS LISOS
Um fato que chamou a atenção de populares e autoridades que estiveram no local era o estado dos pneus da viatura de resgate. Os pneus estavam bastante lisos, o que pode ter contribuído bastante com a saída de pista do furgão.
“É estranho que o Governo de Minas permita que seus próprios veículos, que são tão importantes para a sociedade trafeguem pelas rodovias nestas condições”, disse um motorista que havia parado no local para ver o acidente. De acordo com o agente Faria, Chefe do Posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF) de Realeza e que atendeu a esta ocorrência, o veículo foi autuado devido ao mal estado de conservação.

Como podemos ver não é somente o Rio de Janeiro que pede socorro,de um modo geral a segurança publica do Brasil está sucatiada,ficamos triste quando vemos irmãos de farda terem que passar por essa situação devido ao descaso dos governantes,só espero que o Sargento Cleber não tenha que pagar ou responder algo pelo "sucata" que dirigia.

domingo, 25 de dezembro de 2011

Bombeiro pega no ar homem que tentou se matar ao pular de árvore

Um homem de Goiânia (GO) foi salvo neste sábado por um bombeiro que o pegou no ar quando ele pulou de uma árvore de mais de 8 m de altura. O cabo da Polícia Militar estava pendurado em uma corda de rapel, tentando dissuadir a vítima, e se lançou quando percebeu que ela saltaria, em uma ocorrência que emocionou a corporação.

Transtornado, o morador do Parque das Amendoeiras, de cerca de 30 anos, subiu em uma mangueira que fica no terreno de sua casa, disposto a se matar. A família, que estava na residência no momento, acionou o Corpo de Bombeiros. Durante a negociação, um cabo e um sargento subiram na árvore presos a cordas, enquanto quatro homens no solo seguravam o equipamento e faziam a segurança dos colegas.

Segundo o cabo Amâncio, quando seu colega percebeu que o homem se atiraria, deu o sinal para que o bombeiro pulasse. Amâncio conseguiu abraçar a vítima no ar, e ambos ficaram pendurados a alguns metros do chão. Os colegas, então, começaram a descer a corda até que a dupla chegou ao solo em segurança.

Conforme o bombeiro, a vítima estava com uma camiseta amarrada no pescoço e apresentava sinais de asfixia. Muito nervoso, ele recebeu os primeiros atendimentos no local. Segundo a família, ele já havia tentado se suicidar antes.

Em 10 anos de corporação, cabo Amâncio já havia visto colegas tentando salvar pessoas na mesma situação, mas foi a primeira vez que ele participou. "Foi bastante emocionante. Tinha aquela tensão e quando você vê, pensa em fazer o melhor possível", disse, ao Terra. "Foi uma benção. Logo hoje, no dia de Natal. É um dia de vida, de renascimento", afirmou.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Contagem regressiva para a greve Geral: Bombeiros do Rio de Janeiro em busca de dignidade

Os bombeiros voltaram às ruas. Nesta segunda-feira, cerca de 200 bombeiros fizeram uma passeata da esquina das avenidas Presidente Vargas e Rio Branco até Alerj, no Centro, para reivindicar piso salarial de R$ 2 mil para o soldado, o fim das gratificações e vale-transporte. Os manifestantes prometeram fazer protestos diários até sexta-feira com objetivo de sensibilizar o governo do estado. Segundo eles, caso não haja acordo, haverá greve geral da categoria antes do Natal.
"A população pode ficar tranquila que os serviços essenciais serão mantidos, mas não podemos aceitar 5,58% de reajuste oferecido pelo governo do estado há quatro meses. Queremos ser recebidos pelo governador para tratar do assunto. Do contrário, entraremos em greve geral. O governo acabou se aprovar aumento salarial para os secretários e o governador, mas parece ter esquecido dos bombeiros", lamentou o cabo Benevenuto Dacciolo, um dos líderes do movimento.
Em junho, 439 bombeiros foram presos após invadir o Quartel-General da corporação, no Centro, na maior manifestação já feita pela categoria. Um habeas corpus devolveu a liberdade aos detidos, que ficaram alojados no quartel de Jurujuba, em Niterói, e voltaram às ruas para fazer novas manifestações.
Em junho, o governador Sérgio Cabral criou a Secretaria de Estado de Defesa Civil e enviou à Alerj uma mensagem antecipando de dezembro para julho os seis meses de reajustes salariais para bombeiros, policiais militares, policiais civis e agentes penitenciários. O reajuste proposto foi de 5,58%, o que representou um impacto de R$ 323 milhões no caixa do estado. Somados aos reajustes de janeiro a junho deste ano, as categorias passam a acumular 11,5% de aumento salarial em 2011, segundo o governo.


domingo, 4 de dezembro de 2011

Esposas de PMs fecham quartéis e governador diz que não pode atender reivindicações

O governador de Rondônia, Confúcio Moura, pediu “bom senso” para os envolvidos na paralisação dos Policiais Militares e Bombeiros em Porto Velho, em entrevista à TV Allamanda na manhã de sábado. Confúcio disse que ainda não havia recebido qualquer manifestação de greve, mas que já apresentou números sobre as condições de pagamento para o funcionalismo para os sindicatos e que não pode “quebrar o Estado, nem ser preso por descumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal.”

Como já haviam anunciado, esposas de policiais militares fecharam os batalhões em Porto Velho na madrugada de sábado. Como a lei proíbe movimento grevista na corporação, as mulheres e familiares dos membros da categoria estão à frente do movimento, que começou forte na capital com o bloqueio de quartéis e o esvaziamento de pneus de viaturas e motos da PM.

Até às 10 horas deste sábado, as mulheres e familiares haviam conseguido manter 10 viaturas paradas no 1º Batalhão; 10 no 5º; dois ônibus e oito viaturas com os pneus esvaziados na Companhia de Trânsito; 20 motos com os pneus esvaziados na mesma companhia.

Esta é a segunda greve da Polícia Militar de Rondônia no primeiro ano do Governo Confúcio. As mulheres e familiares alegam que o Governo tem sido intransigente nas negociações. O Estado chegou a oferecer um percentual de reajuste, mas retirou a proposta.

Os militares reivindicam 44% de reajuste e garantem que, desde o início do ano, vêm dando uma trégua ao governador. Nesse período, realizaram várias manifestações, movimentos paredistas, carreatas, tudo para chamar atenção da população para a segurança pública.

Depois de descumprir a promessa dos 44% – 11% em agosto/2011, 11% novembro/2011, com 22% vinculados à transposição -, o governo apresentou “uma contraproposta vergonhosa em que os militares terão que aguardar até 2014 para a sua valorização”, diz Ada Dantas, da Assfapom, uma das entidades à frente do movimento.

Segundo a Assfapom, “o governo se aproveita da vedação constitucional (de não poder fazer greve) para calar o profissional; ao contrário ,é preso”.

Elas pedem reajuste salarial da ordem de 44%. As mulheres estão concentradas no 1º Batalhão da Polícia Militar (BPM), no bairro Arigolândia, centro da cidade, e no 5º BPM, que é um dos maiores quartéis de Porto Velho, responsável pelo policiamento da zona Leste da Capital. A manifestação é pacífica na frente dos quartéis, cujos portões foram fechados com cadeados.

sábado, 3 de dezembro de 2011

PM e bombeiros de Rondônia entram em greve

Policiais e bombeiros militares amanheceram este sábado de greve. Como a lei proíbe movimento grevista na corporação, as mulheres e familiares dos membros da categoria estão à frente do movimento, que começou forte na capital com o bloqueio de quartéis e o esvaziamento de pneus de viaturas e motos da PM.

Até às 10 horas deste sábado, as mulheres e familiares haviam conseguido manter 10 viaturas paradas no 1º Batalhão; 10 no 5º; dois ônibus e oito viaturas com os pneus esvaziados na Companhia de Trânsito; 20 motos com os pneus esvaziados na mesma companhia.

Esta é a segunda greve da Polícia Militar de Rondônia no primeiro ano do Governo Confúcio. As mulheres e familiares alegam que o Governo tem sido intransigente nas negociações. O Estado chegou a oferecer um percentual de reajuste, mas retirou a proposta.

Os militares reivindicam 44% de reajuste e garantem que, desde o início do ano, vêm dando uma trégua ao governador. Nesse período, realizaram várias manifestações, movimentos paredistas, carreatas, tudo para chamar atenção da população para a segurança pública.

Depois de descumprir a promessa dos 44% - 11% em agosto/2011, 11% novembro/2011, com 22% vinculados à transposição -, o governo apresentou “uma contraproposta vergonhosa em que os militares terão que aguardar até 2014 para a sua valorização”, diz Ada Dantas, da Assfapom, uma das entidades à frente do movimento.

Segundo a Assfapom, “o governo se aproveita da vedação constitucional (de não poder fazer greve) para calar o profissional; ao contrário ,é preso”.